Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 21 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 21/01 às 10h58min

Nos EUA, democratas e republicanos trocam acusações de culpa por paralisação do governo

Líderes democratas, como a senadora Nancy Pelosi, pressionam o governo Trump por acordo que proteja jovens imigrantes

Líderes democratas, como a senadora Nancy Pelosi, pressionam o governo Trump por acordo que proteja jovens imigrantes


Tasos Katopodis/Getty Images/AFP/JC
Democratas e republicanos no Congresso estão tentando se esquivar da culpa pela paralisação do governo, em meio a discussões sobre questões migratórias, e mostram poucos sinais de progresso nas negociações necessárias para encerrar o impasse que interrompeu atividades governamentais.
A troca de acusações teve início já no sábado (20), num raro momento de trabalhos no Senado e na Câmara durante o fim de semana, com legisladores empenhados em demonstrar aos eleitores que estão em busca de uma solução - ou, ao menos, demonstrando ativamente o argumento de que a culpa pela paralisação é do outro partido. O cenário ressaltou as apostas políticas de ambos partidos durante a paralisação, que ocorre em ano eleitoral, cujas consequências ainda não estão claras.
"O povo norte-americano não pode compreender porque a liderança democrata no Senado acredita que o governo deve ser paralisado até que ela consiga o que quer em relação à imigração ilegal", disse o líder republicano no Senado, Mitch McConnell, horas após a última tentativa de votação ter falhado.
Os democratas se recusaram a dar os votos necessários para manter as atividades do governo até que seja feito um acordo com o presidente Donald Trump que proteja jovens imigrantes da deportação, ofereça suporte contra desastres e aumente dos gastos para o tratamento do vício em opioides e outros programas domésticos.
Os membros do partido democrata têm posição "muito, muito firme sobre tais questões", explicou o senador Chuck Schumer, líder democrata no Senado, apontando que "o povo americano está do nosso lado".
Os republicanos começaram o dia confiantes de que poderiam conseguir o apoio democrata para uma versão de texto que liberaria o funcionamento de agências do governo por até três semanas, o que poderia dar um fim rápido ao impasse. Por outro lado, democratas insistem numa alternativa que duraria apenas alguns dias - neste caso, acreditam que isso ajudaria a pressionar os parlamentares governistas a fechar um acordo sobre questões de imigração - e afirmam que vão barrar a versão de três semanas que deve ser votada no Senado na manhã de segunda-feira.
A paralisação do governo ocorre no aniversário de um ano de governo Trump. Enquanto os legisladores discutiam no Capitólio, manifestantes protestavam numa reedição da Marcha das Mulheres, que ocorreu pela primeira vez em março passado.
Enquanto congressistas buscavam uma solução para a paralisação, Trump permaneceu fora de vista e cancelou os planos de viajar para seu resort na Flórida.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia