Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

Notícia da edição impressa de 05/01/2018. Alterada em 04/01 às 22h24min

Itamaraty considera que brasileiro preso está 'desaparecido'

O Itamaraty considera que o brasileiro preso em dezembro pelo governo da Venezuela por suposta ligação com "organização criminosa" está desaparecido, segundo fontes do Ministério das Relações Exteriores. A chancelaria do Brasil mantinha contato com o regime de Nicolás Maduro em busca de detalhes sobre o caso, mas agora afirma que os venezuelanos se recusam a fornecer informações sobre o preso.
De acordo com integrantes do governo do Brasil, o encarregado de negócios da Venezuela avisou ao Itamaraty que não está autorizado a dar detalhes sobre o catarinense Jonatan Moisés Diniz, detido no dia 27 de dezembro com três venezuelanos no estado de Vargas. Diniz morava em Los Angeles e foi acusado de trabalhar para a CIA, a agência de inteligência dos EUA.
No fim de dezembro, o número 2 do regime, Diosdado Cabello, disse que Diniz comandava uma ONG chamada Time to Change the Earth para obter "financiamento" e "procurar detectar objetivos estratégicos". Como prova, apresentou postagens nas redes sociais defendendo os protestos contra Maduro. Nas publicações, o brasileiro pedia doações para a compra de presentes e comida para crianças e moradores de rua.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia