Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Notícia da edição impressa de 05/01/2018. Alterada em 04/01 às 19h41min

Onda de frio provoca 17 mortes

SPENCER PLATT/GETTY IMAGES/AFP/JC
Moradores de uma grande área dos Estados Unidos sofrem com nevascas e fortes ventos, seguidos de temperaturas que podem bater recordes negativos. O fenômeno climático levou ao cancelamento de milhares de voos, fechou escolas e estabelecimentos comerciais e gerou temores de falta de energia e alagamentos. O número de óbitos por causa do frio subiu para pelo menos 17 após dois sem-teto terem sido encontrados mortos em Houston. O Serviço Nacional de Meteorologia advertiu para o risco de mais nevascas nos próximos dias.

Trump ameaça processar editora de livro sobre sua gestão na Casa Branca

Em uma carta enviada por um de seus advogados nesta quinta-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, pediu à editora responsável pelo livro Fire and fury (Fogo e fúria, em tradução livre), Henry Holt, que "desista imediatamente de publicar ou disseminar" a obra, a ser lançada na próxima semana, sob pena de ser acionada judicialmente. Escrito pelo jornalista Michael Wolff, o livro sobre os bastidores da Casa Branca no governo Trump teve trechos divulgados na quarta-feira, e eles provocaram a fúria do presidente e o rompimento com o estrategista Steve Bannon.
O ex-aliado de Trump afirmou ao autor que uma reunião de um dos filhos do presidente com uma informante russa durante a campanha, em busca de informações sobre a adversária Hillary Clinton, foi "antipatriótica", e comparou a investigação do FBI sobre a influência russa na eleição de 2016 a um "furacão de categoria 5".
O livro de Wolff, que teve acesso à Casa Branca por meses e afirma ter realizado cerca de 200 entrevistas com integrantes do governo Trump, sustenta que ele não acreditava que iria vencer, que pretendia usar a campanha para ganhar fama e que acreditava que sua equipe estava "repleta de perdedores". O jornalista ainda descreve o improviso dos primeiros meses da administração, com direito a ácidas críticas de alguns dos principais integrantes da equipe do republicano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia