Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Irã

Notícia da edição impressa de 02/01/2018. Alterada em 01/01 às 22h23min

Manifestações contra o governo deixam pelo menos 13 mortos

Treze pessoas morreram durante protestos no Irã entre sábado e ontem. É a maior onda de manifestações no país desde 2009, quando milhões foram às ruas contra a reeleição do então presidente Mahmoud Ahmadinejad.
Dez pessoas morreram no domingo, em várias cidades iranianas. Na noite de sábado, duas pessoas haviam sido mortas a tiros em Dorud, quando os manifestantes atacaram bancos e edifícios do governo e queimaram uma moto da polícia. Ontem, um agente policial foi morto a tiros, no primeiro óbito registrado entre as forças de segurança desde o início das manifestações. Outros três policiais ficaram feridos.
No domingo, o governo bloqueou o acesso ao Instagram e ao popular aplicativo de mensagens Telegram, usado pelos ativistas para se organizarem. As autoridades iranianas acusam grupos "contrarrevolucionários" estabelecidos fora do país de recorrer às redes sociais, especialmente ao Telegram, para convocar a população a ir às ruas e a usar coquetéis molotov e armas de fogo durante os atos.
A onda de protestos foi iniciada na quarta-feira passada em Mashhad, a segunda cidade mais populosa do país, e se espalhou por todo o Irã rapidamente. Desde então, mais de 200 pessoas já foram detidas.
O presidente Hasan Rowhani, reeleito em maio do ano passado, minimizou os protestos em discurso ao Parlamento. "Nossa grande nação já testemunhou incidentes similares no passado e lidou confortavelmente com eles. Isso não é nada", argumentou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia