Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

Notícia da edição impressa de 01/02/2018. Alterada em 31/01 às 22h57min

Assinados seis contratos para exploração do pré-sal

Cerimônia de assinatura de contratos de novas áreas arrematadas foi realizada no Planalto

Cerimônia de assinatura de contratos de novas áreas arrematadas foi realizada no Planalto


VALTER CAMPANATO/ABR/JC
O governo federal assinou, nesta quarta-feira, no Palácio do Planalto, os contratos de concessão de áreas do pré-sal leiloadas em outubro do ano passado. Em seu discurso, o presidente Michel Temer afirmou que os contratos renderão investimentos para a sociedade.
"Os leilões de outubro foram os primeiros do pré-sal que registraram ágio a favor da União, e tudo isso significa uma maior contrapartida para a sociedade. São mais recursos para saúde, educação, para os serviços que os brasileiros tanto precisam", disse o presidente.
O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, destacou a geração de empregos com os novos contratos. "Estamos falando de milhares de empregos, alguns milhões em investimento. Precisamos, sim, aproveitar dessa riqueza que o Brasil foi abençoado. Entre o leilão e a exploração se levam seis, sete anos, mas o povo brasileiro vai comemorar, muito em breve, os milhares de empregos que o País tanto precisa". Segundo cálculos da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Petróleo (Abespetro), a construção de uma plataforma de exploração de óleo e gás, por exemplo, gera 68 mil empregos diretos e indiretos.
Os dois leilões de áreas do polígono do pré-sal das bacias de Santos e Campos, constantes da 2ª e 3ª rodadas, arrecadaram R$ 6,15 bilhões em bônus, com a venda dos 6 dos 8 blocos ofertados - o equivalente a 75% de toda a área levada a leilão. De acordo com o governo, cerca de R$ 100 bilhões serão investidos no Brasil, a partir de agora, pelos consórcios vencedores.
O leilão desses blocos de pré-sal é reflexo de mudanças regulatórias na área de óleo e gás. Em novembro de 2016, Temer sancionou uma lei que desobrigou a Petrobras de participar de todos os consórcios do pré-sal.
O presidente da Petrobras, Pedro Parente, atribuiu os números conquistados no leilão ao fim do monopólio da estatal na exploração do pré-sal. "O significado dessas assinaturas é voltar a permitir que o País se beneficie de uma indústria que estava praticamente morrendo. Hoje, assinamos seis contratos. Se a lei anterior prevalecesse, seriam três contratos, portanto, fazendo uma aproximação grosseira, seria metade dos empregos, das encomendas da indústria nacional, dos impostos, ou seja, um enorme prejuízo para o País". Antes da mudança na lei, a exploração deveria, necessariamente, contar com pelo menos 30% de participação da Petrobras. 

Produção de petróleo no País tem alta de 4%, diz ANP

A produção de petróleo no Brasil subiu 4% em 2017 e a de gás, 6%, informou, nesta quarta-feira, 31, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A produção de petróleo aumentou para 2,622 milhões de barris por dia e a de gás natural, para média de 110 milhões de barris diários.
Em dezembro, a produção total do pré-sal ultrapassou, pela primeira vez, a do pós-sal, registrando 50,7% do total produzido naquele mês. Segundo a ANP, em dezembro de 2017, a produção total de petróleo ficou em 2,612 milhões de barris por dia e a de gás natural, em 113 milhões de metros cúbicos, totalizando 3,325 milhões de barris de óleo equivalente em dezembro de 2017.
De acordo com o boletim da ANP, em dezembro, a Petrobras registrou produção total de 2,53 milhões de barris de óleo equivalente, sendo 2,004 milhões de b/d de petróleo e 82,5 milhões de metros cúbicos de gás natural. A segunda colocada em produção por concessionária foi a Shell, com 326,1 mil barris diários de petróleo e 12,1 milhões de metros cúbicos diários de gás natural, totalizando 402,3 mil barris de óleo equivalente. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia