Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 26 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 26/01 às 18h55min

Dólar fecha em leve baixa, na casa dos R$ 3,13

Após ter chegado ao menor patamar desde 4 de outubro no pregão anterior, o dólar à vista fechou em leve baixa nesta sexta-feira (26) mantendo-se na casa dos R$ 3,13, apesar da queda expressiva da divisa americana no exterior. Na semana, o dólar caiu 1,95%, principalmente por causa da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em segunda instância, na quarta-feira, o que em tese inviabiliza os planos do petista de retornar ao Palácio do Planalto.
À exceção do câmbio, o mercado doméstico continuou reagindo nesta sessão com euforia à derrota de Lula no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), onde foi condenado por unanimidade e teve a pena por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá aumentada a 12 anos e um mês de prisão. "O dólar passou apenas um ajuste nesta sexta-feira, depois da queda livre dos últimos dias", comentou Pablo Spyer, diretor da Mirae Asset.
Na quinta-feira, o dólar à vista negociado em outras praças do País fechou em baixa de 1,08%, aos R$ 3,1390, enquanto os mercados futuros ficaram fechados por causa do feriado de aniversário da cidade de São Paulo (464 anos). O valor foi o mais baixo de fechamento desde 4 de outubro de 2017, quando a moeda americana à vista encerrou aos R$ 3,1328.
Para José Raymundo Faria Júnior, diretor da Wagner Investimentos, o fato de o dólar ter chegado aos R$ 3,12 na mínima intraday, no início dos negócios, atraiu compradores, o que levou a moeda a subir ao nível de R$ 3,15 durante a sessão. "Mas, mesmo que haja alguma recuperação no curto prazo, a tendência para o dólar continua sendo de queda. Comparando-se o risco Brasil com commodities e outras moedas ligadas a commodities, o dólar ainda está caro ante o real", afirmou Faria Júnior, que vê a moeda americana caindo em direção aos R$ 3,10 ou R$ 3,05.
O real também tem se beneficiado do cenário externo favorável, com a alta liquidez mundial e a recuperação das commodities.
No exterior, o dólar se enfraqueceu ainda mais em relação a outras moedas principais e renovou mínimas ante o iene, com os investidores de olho na questão imigratória nos Estados Unidos, que pode resultar em uma nova paralisação do governo de Donald Trump caso não haja um acordo entre republicanos e democratas até 8 de fevereiro.
O dólar à vista fechou em baixa de 0,02%, a R$ 3,1385. O giro foi de US$ 1,5 bilhão. No mercado futuro, o dólar para fevereiro terminou em alta de 0,14%, a R$ 3,1545. O volume foi de US$ 24,999 bilhões. No acumulado da semana, recuou 1,48%.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia