Porto Alegre, segunda-feira, 16 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

23/01/2018 - 10h16min. Alterada em 23/01 às 10h16min

Taxas de juros de curto prazo recuam após divulgação do IPCA-15

Os juros futuros mostram sinais mistos na manhã desta terça-feira (23). As taxas de curto prazo recuam após a aceleração do IPCA-15 de janeiro de 0,39%, ante 0,35% em dezembro, ter ficado abaixo da projeção mediana dos economistas do mercado (+0,42%) e dentro do intervalo das apostas (0,33% a 0,50%).
Os juros futuros mostram sinais mistos na manhã desta terça-feira (23). As taxas de curto prazo recuam após a aceleração do IPCA-15 de janeiro de 0,39%, ante 0,35% em dezembro, ter ficado abaixo da projeção mediana dos economistas do mercado (+0,42%) e dentro do intervalo das apostas (0,33% a 0,50%).
Já os juros mais longos oscilam perto da estabilidade em meio a expectativas com o julgamento do recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na quarta-feira (24) segundo um operador de renda fixa.
No fim da manhã, os agentes do segmento de juros devem monitorar o leilão de venda de até 1,150 milhão de Notas do Tesouro Nacional - Série B (NTN-B) para dois vencimentos, papéis indexados ao IPCA. O acolhimento das propostas será feito entre 11h30min e 12h, com divulgação de resultados a partir das 12h30min. No caso de venda de ao menos 50% dos lotes, haverá segunda volta com oferta de 20% dos volumes. A liquidação da operação será na quarta-feira.
Às 9h45min desta terça, o DI para janeiro de 2019 exibia 6,885%, na mínima, de 6,920% no ajuste de segunda-feira. O DI para janeiro de 2020 estava em 8,08%, de 8,09%, enquanto o vencimento para janeiro de 2021 marcava 8,930%, igual ao ajuste anterior. Já o DI para janeiro de 2023 estava em 9,71%, ante 9,72% do ajuste da véspera.