Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 22 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

aviação

Alterada em 22/01 às 10h51min

Embraer reitera que não há garantia de combinação de negócios com Boeing

Segundo comunicado, as duas companhias e o governo brasileiro têm buscado se aprofundar na questão

Segundo comunicado, as duas companhias e o governo brasileiro têm buscado se aprofundar na questão


YASUYOSHI CHIBA/AFP/JC
A Embraer reiterou, em esclarecimento a notícias publicadas na imprensa, que não há garantia de que a pretendida combinação de negócios com a norte-americana Boeing venha a se concretizar e "tampouco é possível definir que estrutura ou desenho", ainda que preliminarmente, virá a ser adotada. Recentemente, o noticiário local sobre as conversas informava que as duas empresas estariam discutindo um novo modelo de negócios.
Como informado em 21 de dezembro, a Embraer e a Boeing têm desenvolvido entendimentos preliminares na busca por uma estrutura de combinação de negócios que atenda o interesse comum de ambas e de seus acionistas, "respeitado, no caso específico da Embraer, as restrições legais e estatutárias, bem como o interesse da segurança nacional".
Segundo comunicado, as duas companhias e o governo brasileiro têm buscado se aprofundar na questão, registrando a Embraer o enfoque construtivo que vem adotando o governo brasileiro.
A Embraer informou ainda que adota, de acordo com as melhores práticas de governança corporativa, o procedimento de verificar imediatamente junto a seus administradores que tenham conhecimento dos fatos em cada caso.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia