Porto Alegre, segunda-feira, 16 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

conjuntura

20/01/2018 - 19h25min. Alterada em 20/01 às 19h25min

Temer dirá em Davos que 'Brasil voltou' e que recessão foi superada, diz Moreira

Agência Brasil
O ministro da da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco, divulgou neste sábado (20) um vídeo no qual antecipa alguns pontos da mensagem que o presidente Michel Temer levará ao Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. Segundo o ministro, será "uma mensagem singela e curta de que o Brasil voltou", já tendo superado a recessão e a inflação de mais de 10%.
O ministro da da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco, divulgou neste sábado (20) um vídeo no qual antecipa alguns pontos da mensagem que o presidente Michel Temer levará ao Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. Segundo o ministro, será "uma mensagem singela e curta de que o Brasil voltou", já tendo superado a recessão e a inflação de mais de 10%.
"Retornamos [a Davos] para dizer que enfrentamos a mais grave crise econômica de nossa história, superamos a recessão, baixamos a inflação de mais de 10% para 2,9%, abaixo do piso", disse o ministro por meio de sua conta no Facebook. "Tivemos uma baixa na taxa de juros, aumentou o desempenho da economia brasileira, o PIB vem crescendo, e as projeções são extremamente positivas", acrescentou.
Segundo Moreira Franco, as taxas de juros têm permitido que as pessoas voltem a fazer compras por meio de crediário e que os investidores tenham mais acesso ao crédito. "A economia está se reencontrando em uma trajetória que é nossa, do povo brasileiro, que é a do crescimento e da geração de emprego e renda", destacou.
O ministro disse que a situação estaria melhor caso a reforma da Previdência já tivesse sido aprovada pelo Congresso Nacional. Segundo ele, a não aprovação da reforma é "um problema que tem atemorizado", a ponto de prejudicar as avaliações externas sobre o país, "inclusive provocado mais recentemente uma queda no rating, no grau de investimento do Brasil".
No dia 11, a agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) rebaixou o Brasil para três níveis abaixo do grau de investimento com perspectiva estável - termo que significa que a agência terá de esperar pelo menos seis meses para alterar a nota do país.
Grau de investimento representa a garantia de que o país não corre risco de dar calote na dívida pública. Por meio de um comunicado, a S&P informou que o Brasil está demorando para implementar as reformas que reduzam os riscos fiscais do país, principalmente a da Previdência. Desde fevereiro de 2016, o Brasil estava enquadrado dois níveis abaixo do grau de investimento.