Porto Alegre, segunda-feira, 16 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Comércio Exterior

18/01/2018 - 00h19min. Alterada em 18/01 às 00h17min

Balança comercial brasileira teve superávit recorde no ano passado

O Brasil registrou em 2017 superávit recorde de US$ 67 bilhões na balança comercial, de acordo com o Icomex (Indicador do Comércio Exterior), divulgado ontem pelo Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia de Fundação Getulio Vargas). O resultado foi puxado por um aumento de 17,6% nas exportações; acima dos 9,6% das importações. De acordo com a FGV, porém, em 2018, o superavit deve ser menor, "com aumento das importações e menor crescimento das exportações".
O Brasil registrou em 2017 superávit recorde de US$ 67 bilhões na balança comercial, de acordo com o Icomex (Indicador do Comércio Exterior), divulgado ontem pelo Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia de Fundação Getulio Vargas). O resultado foi puxado por um aumento de 17,6% nas exportações; acima dos 9,6% das importações. De acordo com a FGV, porém, em 2018, o superavit deve ser menor, "com aumento das importações e menor crescimento das exportações".
Em volume, as exportações aumentaram 9,4%, lideradas pelo setor agropecuário, com expansão de 24,3%. Os preços, de maneira geral, cresceram 9,5%, com destaque para a indústria extrativa, que aumentou de 34%.
As 23 principais commodities exportadas pelo país responderam por 77% do aumento das exportações de 2016 para 2017 e representaram 52% do total exportado no ano passado. Já as exportações de não commodities experimentam crescimento inferior ao das commodities atingindo 8,8%, em valor.