Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Notícia da edição impressa de 18/01/2018. Alterada em 17/01 às 21h27min

Financiamentos de veículos novos sobem 3,5% em 2017

Pedidos de empréstimos aprovados aumentou no segundo semestre

Pedidos de empréstimos aprovados aumentou no segundo semestre


/JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
Após seis anos de queda, o número de veículos zero quilômetro que foram adquiridos por meio de financiamento voltou a crescer em 2017. Foram 1,8 milhão de unidades financiadas no ano passado, alta de 3,5% em relação ao resultado de 2016, mostra levantamento feito pela B3, que considera automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e motocicletas.
O aumento das vendas financiadas, segundo analistas, é reflexo da redução da taxa básica de juros, a Selic, e do fato de o desemprego ter começado a cair em 2017. As condições mais favoráveis, que reduzem o risco de calote, levaram o brasileiro a demandar mais crédito e diminuíram um pouco a restrição dos bancos em liberar o dinheiro.
De acordo com a Fenabrave, associação que representa as concessionárias de veículos, o nível de aprovação de pedidos de financiamentos, que durante o período de retração do setor era de três a cada 10, subiu para quatro a cada 10 no segundo semestre do ano passado. Em 2012, quando as vendas bateram recorde, chegou a ser de sete a cada 10.
O crescimento das vendas financiadas, no entanto, foi menor do que o do mercado de veículos como um todo, que também inclui as vendas à vista. Enquanto os financiamentos subiram 3,5%, o mercado avançou 9,2%. Boa parte da discrepância se deve ao fato de que a retomada do mercado, que subiu em 2017 depois de quatro anos de queda, foi impulsionada principalmente pela demanda de consumidores de maior renda, que dependem menos do crédito e foram menos afetados pela crise econômica.
Em um recorte que considera somente os veículos leves novos, os financiamentos cresceram 7% no ano passado em relação a 2016, para 1,138 milhão de unidades, a primeira alta desde 2012. O volume representa 52% das vendas totais de veículos leves em 2017, um pouco abaixo dos 53% registrados no ano anterior.
As vendas financiadas de veículos pesados, que somam caminhões e ônibus, também cresceram, a um ritmo de 12,5%, para 63,8 mil unidades. Já as motos, que são um segmento mais dependente do crédito, tiveram retração de 3,5% nos financiamentos, para 593,7 mil unidades.
Dezembro também apresentou avanço nas vendas financiadas, considerando todos os segmentos. Foram 170,9 mil unidades vendidas com a ajuda do crédito em dezembro, 8,7% a mais que em igual mês do ano anterior e 9,7% de alta em relação a novembro.
Na conta da B3, que considera tanto os veículos novos quanto os usados, os financiamentos cresceram 9,7% em 2017, para 5,1 milhões de unidades. Só em dezembro, foram 470,9 mil veículos, avanço de 4,8% na comparação com dezembro de 2016 e de 4,9% ante o resultado de novembro. A participação do Crédito Direto ao Consumidor (CDC), modalidade de financiamento mais usada no mercado, subiu de 80,7% em 2016 para 83,5% em 2017.
 

Mercado brasileiro puxa recuperação da Volkswagen

A Volkswagen registrou recorde de vendas de 10,74 milhões de veículos em 2017, com destaque para a recuperação do mercado automotivo no Brasil e na Rússia.
Segundo a empresa, a recuperação no mercado brasileiro teve impacto positivo nas entregas de carros para a América do Sul, onde as vendas cresceram 24% em 2017. No ano todo, as vendas avançaram 13% na Europa Central e Oriental, apoiada pela recuperação no mercado da Rússia.
No geral, as vendas subiram 4,3%, de 10,3 milhões de carros em 2016, quando a Volkswagen ultrapassou a rival Toyota e se tornou a maior produtora de carros naquele ano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia