Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Consumo

Alterada em 17/01 às 11h16min

Intenção de consumo das famílias cresce 2,3% em janeiro

Em relação ao mesmo mês do ano passado, alta foi de de 9,7%

Em relação ao mesmo mês do ano passado, alta foi de de 9,7%


FREDY VIEIRA/ARQUIVO/JC
As famílias brasileiras começaram o ano mais propensas a gastar, conforme o indicador Intenção de Consumo das Famílias (ICF), apurado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O ICF registrou 83,6 pontos em janeiro de 2018, alta de 9,7% em relação a igual período do ano passado, informou a CNC nesta quarta-feira (17). Ante dezembro de 2017, a alta foi de 2,3%.
Apesar do avanço, a CNC destacou em nota que a leitura do ICF ainda se encontra abaixo da "zona de indiferença", de 100 pontos. O resultado abaixo dos 100 pontos ainda indica uma recuperação lenta do otimismo das famílias.
"Os consumidores seguem melhorando suas avaliações sobre a economia, mas o nível de endividamento das famílias, principalmente o daquelas com menor poder aquisitivo, leva à cautela nos gastos, atuando como um fator restritivo ao consumo", diz, na nota, a assessora econômica da CNC, Juliana Serapio.
Conforme a CNC, único componente do ICF acima da zona de indiferença, o Emprego Atual registrou 109,6 pontos em janeiro, o maior valor desde julho de 2015. O subíndice avançou 0,3% em relação a dezembro de 2017 e 4% na comparação com janeiro de 2017.
"O porcentual de famílias que se sentem mais seguras em relação ao emprego atual é de 33,4% ante 33,1% em dezembro", diz a nota da CNC.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia