Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

contas públicas

Alterada em 17/01 às 10h35min

Ilan diz que BC analisa reforço de capital da Caixa

Presidente do BC disse que banco não descumpre regras internacionais de financiamento

Presidente do BC disse que banco não descumpre regras internacionais de financiamento


ANTÔNIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC
O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, rejeitou a hipótese de que a Caixa descumpre as regras internacionais que exigem mais capital para que o banco continue emprestando dinheiro, que entrará em vigor em 2019. Segundo ele, "não ocorrerá essa hipótese" porque o BC "analisa todas as alternativas" para eventual reforço de capital no banco.
Para conseguir sustentar esse papel de indutor do crédito, a Caixa briga para conseguir o aval do Tribunal de Contas da União (TCU) para uma operação que usará R$ 15 bilhões dos trabalhadores depositados no FGTS para capitalizar o banco. Sem essa transação, a Caixa corre o risco de descumprir normas bancárias e ter de colocar um freio na concessão de crédito. Quando questionado se bancos privados já não tinham feito a mesma operação - venda de bônus sem prazo de vencimento -, o presidente do BC disse que não é exatamente o mesmo tipo de operação.
Durante a entrevista, realizada antes do anúncio do Planalto de afastamento por 15 dias de quatro vice-presidentes da instituição para defesa em investigações do Ministério Público Federal, Ilan disse que não poderia comentar casos específicos. "O que eu posso dizer é que o BC acompanha as instituições de perto."
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia