Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Notícia da edição impressa de 16/01/2018. Alterada em 15/01 às 20h36min

Mercado projeta inflação de 3,95% no fim de 2018

A inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) do ano de 2018 deve ficar em 3,95%. A projeção é de agentes do mercado financeiro consultados pelo Banco Central e divulgada no Boletim Focus ontem. O IPCA projetado é levemente menor do que o divulgado há um mês, de 4%. Para 2019, a expectativa é que o índice seja de 4,25%.
O Boletim Focus é lançado no início de cada semana e traz a média das expectativas de bancos, instituições financeiras, consultorias e empresas sobre os principais indicadores relacionados à economia brasileira, como os diversos índices de inflação, o PIB (Produto Interno Bruto), a taxa de câmbio e a taxa de juros básica da economia, a Selic.
A expectativa registrada nessa edição do levantamento é que o PIB tenha crescimento de 2,7% neste ano. Há um mês, a previsão era de 2,64%. Para 2019, a projeção é que o PIB cresça 2,8%.
A aposta dos agentes do mercado financeiro para a balança comercial também ficou levemente maior neste boletim em relação ao ano passado, US$ 53 bilhões contra US$ 52 bilhões, respectivamente. A produção industrial deve fechar o ano com alta de 3,20%. Há um mês, a previsão era de 3%. O investimento direto no País deve movimentar US$ 80 bilhões (cerca de R$ 255 bilhões).
Para a Selic, a projeção deste Boletim Focus é encerrar 2018 em 6,75%. No levantamento de um mês atrás, a previsão colocava a Selic em 7%, a mesma taxa atual.
Já o IGP-DI (Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna) acumulado do ano deve alcançar 4,45%, uma oscilação na comparação com um mês atrás, quando ele ficou em 4,47%. O IGP-DI é medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV) a partir da combinação dos IPAs (Índices de Preço no Atacado), de IPC (Índice de Preços ao Consumidor) e do INCC (Índice Nacional de Custo da Construção). O indicador é utilizado para aferir variações em bens, serviços, alimentos e matérias-primas, excluindo exportações.
O IGP-M, de acordo com o Boletim Focus, deve fechar o ano em 4,44%, projeção levemente superior à de um mês atrás, de 4,39%. O IGP-M também é medido pela FGV e serve como referência para transações do mercado financeiro, como compra de ações e de títulos.
.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia