Porto Alegre, segunda-feira, 16 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

15/01/2018 - 08h05min. Alterada em 15/01 às 08h05min

Bolsas asiáticas ficam sem direção única, com alta em Tóquio e perdas em Xangai

Várias bolsas asiáticas fecharam em alta nesta segunda-feira (15), incentivadas por um novo avanço a níveis recordes dos mercados acionários de Nova Iorque na sexta-feira, mas as chinesas recuaram em meio a preocupações com o recente aperto da liquidez financeira e após os últimos dados sobre empréstimos bancários.
Várias bolsas asiáticas fecharam em alta nesta segunda-feira (15), incentivadas por um novo avanço a níveis recordes dos mercados acionários de Nova Iorque na sexta-feira, mas as chinesas recuaram em meio a preocupações com o recente aperto da liquidez financeira e após os últimos dados sobre empréstimos bancários.
O Nikkei subiu 0,26% em Tóquio hoje, encerrando os negócios a 23.714,88 pontos, depois de acumular perdas por três pregões consecutivos. O grupo SoftBank foi destaque no mercado japonês, com alta de mais de 3%, após revelar planos de listar sua operadora móvel, numa oferta que pode chegar a cerca de US$ 18 bilhões, mas ações financeiras também tiveram desempenho positivo.
Na China, por outro lado, o Xangai Composto terminou o dia em baixa de 0,54%, a 3.410,49 pontos, interrompendo uma sequência recorde de 11 sessões de valorização. O menos abrangente Shenzhen Composto teve queda ainda mais expressiva, de 1,80%, a 1.913,77 pontos.
Pesou nas ações chinesas a diminuição recente da liquidez, embora o Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) tenha anunciado hoje novas injeções de recursos financeiros, tanto por meio de uma linha de crédito de médio prazo quanto nas operações diárias do mercado monetário.
Além disso, o volume de novos empréstimos bancários na China caiu para cerca de metade em dezembro ante o mês anterior, a 584,4 bilhões de yuans (US$ 90 bilhões), de acordo com números do PBoC divulgados no fim da semana passada.
Seguindo os negócios na China continental, o Hang Seng recuou 0,23% em Hong Kong, a 31.338,87 pontos.
Já na Coreia do Sul e em Taiwan, as bolsas foram impulsionadas por ações dos setores financeiro e tecnológico. O sul-coreano Kospi avançou 0,29% em Seul, a 2.503,73 pontos, enquanto em Taiwan, o Taiex registrou alta de 0,66%, a 10.956,31 pontos, nova máxima em 28 anos. Em Manila, o filipino PSEi subiu 0,49%, a 8.857,72 pontos.
Na Oceania, a bolsa australiana apresentou leve alta de 0,12%, com o índice S&P/ASX 200 a 6.077,10 pontos e sustentado mais uma vez por grandes mineradoras, como BHP Billiton e Rio Tinto.