Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Varejo

11/01/2018 - 10h35min. Alterada em 11/01 às 10h39min

Atividade no comércio cresce 1,1% em 2017, após 2 anos de queda, diz Serasa

O destaque do varejo no ano passado foi o segmento de supermercados

O destaque do varejo no ano passado foi o segmento de supermercados


ANTONIO PAZ/ARQUIVO/JC
O índice que mede o movimento dos consumidores nas lojas do País fechou 2017 com alta de 1,10%, depois de dois anos consecutivos de queda, de acordo com a Serasa Experian. Em 2016 e 2015, o indicador de atividade do comércio cedeu 6,6% e 1,3%, respectivamente, "por causa da profunda e prolongada recessão econômica que se instalou no Brasil a partir da segunda metade de 2014".
Dentre os fatores que contribuíram para a retomada econômica, a Serasa cita a inflação baixa, a contínua retração na taxa de juros e o processo de desalavancagem do endividamento das famílias.
Além disso, acrescenta, o ingresso dos recursos das contas inativas do FGTS na economia e a recuperação da massa real de rendimentos permitiram que as vendas do varejo revertessem a queda acumulada em 2015/2016.
De acordo com a Serasa, o destaque do varejo no ano passado foi o segmento de supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas, que registrou crescimento de 1,2%. Em contrapartida, a categoria de material de construção apresentou declínio de 14,3% em 2017 em relação a 2016.
A segunda maior queda, de 12,2%, foi observada no movimento de consumidores nas lojas de tecidos, vestuário, calçados e acessórios.
Ainda houve retração, de 9,5%, no segmento de combustíveis e lubrificantes; recuo de 7,5% em móveis, eletroeletrônicos e informática e variação negativa de 7,5% nas lojas de veículos, motos e peças.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia