Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Gestão

Notícia da edição impressa de 11/01/2018. Alterada em 10/01 às 22h59min

Pedidos de recuperação judicial caem 23,8% em 2017, diz Serasa

Os pedidos de recuperação judicial diminuíram 23,8% em 2017, somando 1.420 requisições, de acordo com Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações. Em 2016 foram registradas 1.863 requisições, o maior volume registrado desde 2006, após a entrada em vigor da Nova Lei de Falências (junho de 2005). Os economistas da Serasa Experian atribuem o resultado a retomada do crescimento econômico e a redução das taxas de juros.
No ano, as micro e pequenas empresas lideraram os requerimentos de recuperação judicial, com 860 pedidos, seguidas pelas médias (357) e pelas grandes empresas (203). Em dezembro, o indicador verificou aumento de 11,3% nos requerimentos de recuperação judicial frente a novembro. Ante dezembro do ano anterior, entretanto, foi apurada queda de 18,6%. No mês, as Micro e Pequenas Empresas também ficaram na frente com 83 requerimentos, seguidas pelas médias empresas, com 26, e as grandes com nove.
Os pedidos de falência caíram 7,8% em 2017 ante o ano anterior, somando 1.708 em todo o país. O maior número de pedidos dos últimos quatro anos foi registrado em 2016 (1.852). Dos requerimentos de falência efetuados em 2017, 910 foram de micro e pequenas empresas, 392 de médias e 406 de grandes.
Em dezembro, o indicador verificou queda de 14,2% nos requerimentos de falência em na comparação com novembro. Frente a dezembro de 2016 houve queda ainda maior, de 23,1%, de 150 para 145.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia