Porto Alegre, segunda-feira, 16 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

09/01/2018 - 19h18min. Alterada em 09/01 às 19h18min

Bolsas de Nova Iorque têm novas máximas históricas, apoiadas por setor financeiro

Os mercados acionários americanos prosseguiram nesta terça-feira (9), com o movimento de alta visto desde o primeiro pregão do ano e registraram novas máximas históricas de fechamento à medida que a temporada de balanços se aproxima e os investidores continuam otimistas quanto à perspectiva de crescimento da economia global.
Os mercados acionários americanos prosseguiram nesta terça-feira (9), com o movimento de alta visto desde o primeiro pregão do ano e registraram novas máximas históricas de fechamento à medida que a temporada de balanços se aproxima e os investidores continuam otimistas quanto à perspectiva de crescimento da economia global.
O índice Dow Jones fechou em alta de 0,41%, aos 23.385,80 pontos; o S&P 500 avançou 0,13%, aos 2.751,29 pontos; e o Nasdaq ganhou 0,09%, aos 7.163,58 pontos. Com isso, os três indicadores acionários renovaram recordes.
Os principais índices acionários dos EUA continuaram o rali nos primeiros dias de negociação de 2018, estendendo o movimento altista visto no ano passado. Os investidores, no entanto, não encontram pistas que indiquem o fim do rali, especialmente quando as tensões geopolíticas envolvendo a Coreia do Norte parecem estar diminuindo. Com isso, o centro das atenções deve passar para os resultados corporativos referentes ao período de outubro a dezembro do ano passado.
S&P 500 e Nasdaq renovaram seis recordes seguidos, não registrando queda em nenhum pregão neste ano. A última vez que o S&P 500 havia subido cinco ou mais sessões consecutivas no início do ano foi 2010, quando avançou seis dias seguidos. "Os investidores adoram, mas o mercado não consegue segurar esse ritmo por muito tempo", disse a diretora da Bingham Osborn & Scarborough, Jennifer Ellison. "Precisamos ver números sólidos nos balanços para alimentar esse ritmo."
As ações de instituições financeiras foram as grandes responsáveis pela alta desta terça-feira, à medida que os rendimentos dos Treasuries longos também subiram, apoiados pela decisão do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) de promover um pequeno corte na última operação de compra de bônus japoneses (JGBs). O Goldman Sachs subiu 0,85%, o Citigroup avançou 1,05% e o J.P.Morgan ganhou 0,51%.
Os bancos estão entre as primeiras grandes empresas que divulgarão os balanços do quarto trimestre. Ainda nesta semana, J.P.Morgan e Wells Fargo mostrarão seus resultados referentes ao quarto trimestre, com analistas esperando que muitos revelem lucros maiores na comparação com o mesmo período de 2016.