Porto Alegre, segunda-feira, 16 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

09/01/2018 - 16h31min. Alterada em 09/01 às 16h31min

Bolsas da Europa fecham em alta; otimismo com economia da Alemanha guia mercados

O sentimento otimista perdurou na Europa e os mercados acionários do continente fecharam novamente em alta nesta terça-feira, 9, dando prosseguimento ao rali visto neste início de ano. A economia da Alemanha foi o principal catalisador do movimento altista à medida que indicadores mostraram resultados acima do esperado por analistas. O índice pan-europeu Stoxx-600 fechou em alta de 0,43% (+1,70 ponto), aos 400,11 pontos, no maior nível desde abril de 2015.
O sentimento otimista perdurou na Europa e os mercados acionários do continente fecharam novamente em alta nesta terça-feira, 9, dando prosseguimento ao rali visto neste início de ano. A economia da Alemanha foi o principal catalisador do movimento altista à medida que indicadores mostraram resultados acima do esperado por analistas. O índice pan-europeu Stoxx-600 fechou em alta de 0,43% (+1,70 ponto), aos 400,11 pontos, no maior nível desde abril de 2015.
Na zona do euro, a taxa de desemprego caiu para 8,7% em novembro, no menor nível desde janeiro de 2009. Analistas consultados pelo Wall Street Journal previam manutenção do indicador, em 8,8%. Em novembro, o número de desempregados na região sofreu queda de 107 mil.
"Esse foi o quarto declínio consecutivo, mas parece provável que apenas leve um aumento modesto no crescimento salarial", comentou a economista Jessica Hinds, da Capital Economics.
Ela lembra que, a nível nacional, a maioria dos Estados-membros da zona do euro registrou uma queda nas taxas de desemprego, mas ainda existem disparidades nos países: a da Alemanha está em 3,6%, enquanto a da Itália está em 11,0% e a da Espanha permaneceu inalterada em 16,7%.
Na Alemanha, a produção industrial surpreendeu analistas e cresceu 3,4% em novembro na comparação com outubro, enquanto as previsões apontavam para avanço de 1,9%. Ainda em novembro, o superávit comercial alemão foi de 22,3 bilhões de euros, também superando as estimativas de saldo positivo de 21 bilhões de euros. Os fortes resultados deram o aval para que o índice DAX, da Bolsa de Frankfurt, fechasse em alta de 0,13%, aos 13.385,59 pontos. No mercado de bônus, o juro do Bund de 10 anos subiu de 0,434% na segunda-feira para 0,470% nesta terça.
O índice FTSE-100, da Bolsa de Londres, renovou recorde, o terceiro do ano, ao ser ajudado por ações de bancos. Ele subiu 0,45%, aos 7.731,02 pontos. O Barclays subiu 0,85% e o Lloyds ganhou 0,50%. Já em Paris, o índice CAC-40 fechou em alta de 0,67%, aos 5.523,94 pontos.
Na Bolsa de Milão, a notícia de que o populista Movimento 5 Estrelas irá abandonar a plataforma de deixar a zona do euro ajudou o FTSE-MIB a fechar em alta de 0,70%, aos 23.004,58 pontos. Mesmo assim, os bônus italianos continuaram a ser vendidos pelos investidores, fazendo com que o rendimento do BTP de 10 anos subisse de 1,986% na segunda para 2,031% nesta terça. Em Madri, o índice Ibex-35 avançou 0,27%, aos 10.426,50 pontos, enquanto o índice PSI-20 fechou em alta de 0,15%, aos 5.654,24 pontos.