Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas públicas

Notícia da edição impressa de 09/01/2018. Alterada em 08/01 às 22h40min

Governo do Rio Grande do Sul segue tentando vender imóveis, mas com pouco êxito

Área do Daer em Bento Gonçalves foi comprada por R$ 2,207 milhões

Área do Daer em Bento Gonçalves foi comprada por R$ 2,207 milhões


/ARQUIVO SELIC/DIVULGAÇÃO/JC
Thiago Copetti
Segue a passos lentos o projeto do governo do Estado de transformar em recursos financeiros imóveis considerados como inservíveis ou ociosos. Em leilão realizado ontem, de três imóveis colocados a venda e localizados no Interior, apenas um (o de menor valor) teve lance e foi vendido. De 12 imóveis ofertados em novembro do ano passado, apenas um negócio teve êxito. O que não significa que o governo virá a abrir mão da estratégia e, com a proporção do próximo leilão a ser feito, em área disputada da Capital, pode marcar a primeira grande conquista da estratégia. Dois terrenos utilizados atualmente pela Brigada Militar entre as ruas Silva Só e Felipe de Oliveira, no bairro Santa Cecília  devem movimentar o mercado imobiliário em breve devido à localização privilegiada (veja matéria abaixo).
A política de converter imóveis e terrenos em dinheiro foi acelerada em novembro de 2017, com o Programa de Alienações de Ativos Imobiliários Alienação de Imóveis Inservíveis para o Estado, coordenado pelo secretário de Modernização Administrativa e Recursos Humanos, Raffaele Marsiaj Quinto Di Cameli. Ao todo, o governo gaúcho estaria analisando cerca de 8 mil imóveis que poderia ter condições de ser negociados. E, de acordo com projeção de Cameli feita no final de 2017, a ideia é que no primeiro semestre de 2018 o movimento de alienações, leilões e permutas de prédios em poder do Estado se intensifique.
O leilão realizado ontem, porém, não contribuiu com a ideia de acelerar os negócios, devido ao baixo retorno. Com previsão de arrecadar mais de R$ 50 milhões, reforçará o caixa com apenas pouco mais de R$ 2 milhões. A venda de um terreno com árede 915 m2 na rua Herny Hugo Dreher n° 114, em Bento Gonçalves/RS de propriedade do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) e com área construída de 271,25 m2 foi adquirido por R$ 2,207 milhões por um empresário local.
Também pertencentes ao Daer, outras duas áreas com valores mínimos de R$ 24,155 milhões (em Santa Maria, na avenida Nossa Senhora da Medianeira, 1.685) e de R$ 25,269 milhões (na cidade Bento Gonçalves, na rua Eugênio Valduga, 103) não atraíram nenhum interessados. Entre outas opções para seguir tentando a venda destes e de outros imóveis governo do Estado poderá baixar os valores, no caso de propriedades que já foram colocadas à venda, sem receber propostas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia