Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

pesquisa

Notícia da edição impressa de 09/01/2018. Alterada em 08/01 às 21h03min

Focus espera que inflação encerre 2018 em 3,95%

O mercado financeiro reduziu levemente a projeção para a inflação em 2018. A estimativa para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) - a inflação oficial do País - passou de 3,96% na divulgação da semana passada para 3,95% nesta segunda-feira. Há quatro semanas, a expectativa estava em 4,02% para 2018.
A projeção consta do boletim Focus, publicação divulgada ontem no site do Banco Central (BC) com projeções para os principais indicadores econômicos.
A estimativa para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) deste ano também caiu levemente, passou de 2,70% na última divulgação para 2,69%.
Para 2017, o mercado elevou a projeção do IPCA de 2,78% para 2,79%. A estimativa segue abaixo do piso da meta da inflação. Se a projeção se confirmar, será a primeira vez que a meta será descumprida por ficar abaixo do piso. A meta ficou acima do teto quatro vezes: em 2001, 2002, 2003 e 2015.
A meta de inflação, que deve ser perseguida pelo BC, tem como centro 4,5%, limite inferior de 3% e superior de 6%. Quando a inflação fica fora desses patamares, o BC tem que elaborar uma carta aberta ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, explicando os motivos do descumprimento da meta.
A projeção aumentou para o PIB do ano passado, o mercado estima que o crescimento seja de 1,01%. A última projeção era de 1%.
Focus - Projeção Semanal
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia