Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 09/01/2018. Alterada em 08/01 às 22h08min

Fundos tiveram captação recorde de R$ 260 bilhões no ano passado

Haverá maior busca por ativos de risco, afirmou Carlos Ambrósio

Haverá maior busca por ativos de risco, afirmou Carlos Ambrósio


ANBIMA/ANBIMA/DIVULGAÇÃO/JC
Os fundos de investimento tiveram captação líquida recorde de R$ 259,8 bilhões em 2017, crescimento de 98,9% em relação ao ano anterior, informou a Anbima (associação das entidades de mercado de capitais) ontem. O patrimônio líquido dos fundos somou R$ 4 trilhões, segundo a associação.
Os fundos multimercados tiveram maior ingresso no ano passado, com captação passando de R$ 19,6 bilhões em 2016 para R$ 101 bilhões no ano passado, crescimento de 414%. Os fundos de ações, que registraram captação negativa de R$ 4,8 bilhões em 2016, conseguiram ter saldo positivo de R$ 20,6 bilhões em 2017.
A captação da renda fixa foi de R$ 57,6 bilhões, estável em relação a 2016. Nos fundos de Previdência, a captação caiu 5%, para R$ 45,4 bilhões.
Para Carlos Ambrósio, vice-presidente da Anbima, ano passado ajudou a popularizar os fundos no Brasil, o que se reflete nos resultados recordes. "Os produtos acessíveis a todos os bolsos e a taxa de juros em queda contribuíram para atrair as atenções e as aplicações das pessoas físicas", complementa.
No que diz respeito à rentabilidade, os fundos de ações lideraram os ganhos no ano passado. O tipo Small Caps, com ações de empresas de menor capitalização na bolsa, teve retorno médio de 44,34% no ano passado. Na renda fixa, a maioria dos produtos superou o rendimento da poupança em 2017, que foi de 6,65%.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia