Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

Notícia da edição impressa de 05/01/2018. Alterada em 04/01 às 22h23min

Temer sanciona lei que permite socorro financeiro à Caixa Econômica Federal

O presidente Michel Temer sancionou, nesta quinta-feira, a lei que permite a capitalização em até R$ 15 bilhões da Caixa Econômica Federal com recursos do FGTS. O empréstimo com o dinheiro do fundo será feito por meio da emissão de um bônus perpétuo, sem prazo de vencimento. A estratégia do governo e da Caixa é que a operação seja aprovada em um "prazo muito rápido" após a sanção do presidente. A costura política já foi feita no Conselho Curador do FGTS para aprovação do empréstimo à Caixa com recursos do fundo.
O empréstimo funciona como uma espécie de capitalização. Sem a capitalização, a Caixa corre o risco, hoje, de ter de puxar o freio na concessão de crédito para não descumprir normas internacionais de proteção bancária, que definem o quanto a instituição precisa ter em capital dos sócios (nesse caso, apenas um, o Tesouro) em relação ao volume de empréstimos. A instituição, hoje, está muito perto dos limites mínimos dessas normas, antes mesmo do endurecimento das regras, programado para 2019.
O projeto de socorro aprovado pelo Congresso foi desenhado pelas lideranças do governo em prazo recorde de apenas sete dias, para dar fôlego ao banco público para continuar emprestando em 2018, ano de eleições, sem a necessidade de um aporte direto pelo Tesouro, que não tem recursos para injetar no banco.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia