Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

energia

Notícia da edição impressa de 05/01/2018. Alterada em 04/01 às 22h23min

Consumo de eletricidade no País subiu 1,2% em dezembro

Geração pelos parques eólicos avançou 19,2%, segundo a CCEE

Geração pelos parques eólicos avançou 19,2%, segundo a CCEE


/EPCOR ENERGIA/YOUTUBE/REPRODUÇÃO/JC
O consumo de energia elétrica somou 61.533 MW médios entre os dias 1 e 31 de dezembro, o que correspondeu a um crescimento de 1,2% na comparação com igual etapa de 2016, segundo dados preliminares de medição divulgados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). A geração de eletricidade no País, por sua vez, foi de 64.108 MW médios, aumento 1,5% na mesma comparação.
Dentre os ambientes de contratação, houve queda de 2,2% no consumo no mercado cativo, no qual os consumidores são atendidos pelas distribuidoras, e alta de 10,9% no consumo no mercado livre, no qual as empresas compram energia diretamente dos fornecedores. Tais comportamentos foram influenciados pela migração de consumidores para o Ambiente de Contratação Livre (ACL). Ao desconsiderar a saída destas cargas das distribuidoras, o mercado cativo registra um aumento de 0,9% no consumo de dezembro enquanto no mercado livre tem alta de 2,7% no período.
Dentre os ramos da indústria avaliados pela CCEE, incluindo dados de autoprodutores, varejistas, consumidores livres e especiais, os maiores crescimentos de consumo foram observados nos setores de metalurgia e produtos de metais ( 9,5%), veículos ( 9,3%) e têxtil ( 7,6%), mesmo sem o efeito da migração na análise. As principais baixas foram registradas nos segmentos químico (-5,3%), de bebidas (-3,5%) e de minerais não metálicos (-2,9%).
Do ponto de vista da geração, a CCEE destacou o crescimento da produção das termelétricas, de 30,3%, e dos parques eólicos ( 19,2%). Já as usinas hidráulicas, incluindo as Pequenas Centrais Hidrelétricas, geraram 6,1% menos que o verificado em dezembro de 2016.
A Câmara de Comercialização também informou a estimativa da produção das usinas hidrelétricas integrantes do Mecanismo de Realocação de Energia (MRE), em dezembro, equivalente a 79% de suas garantias físicas, ou 44.150 MW médios em energia elétrica. Para fins de repactuação do risco hidrológico, o percentual é de 79,5%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia