Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 05/01/2018. Alterada em 04/01 às 22h23min

Fenabrave prevê alta de 12% nas vendas de carros

GM liderou o ranking das montadoras, com 394 mil unidades vendidas

GM liderou o ranking das montadoras, com 394 mil unidades vendidas


CLAITON DORNELLES /CLAITON DORNELLES /JC
Apesar das eleições e da Copa da Rússia, a venda de carros de passeio e veículos comerciais leves deve crescer 11,9% em 2018. Essa é a previsão da Fenabrave, entidade que reúne as distribuidoras de veículos. No segmento de veículos pesados, a associação prevê alta de 8,6% neste ano sobre 2017.
"Dentro das previsões de mercado internacional, não vemos nada que possa atrapalhar a indústria em 2018, e o índice de confiança do consumidor brasileiro vem subindo", diz a economista Tereza Fernandez, da consultoria MB Associados, que projeta uma alta de 3,1% no PIB (Produto Interno Bruto) neste ano.
Ao todo, a Fenabrave espera que 2,5 milhões de unidades de veículos leves e pesados sejam emplacadas em 2018. A venda de automóveis cresceu 9,2% em 2017 na comparação com 2016. Foram comercializadas 2,24 milhões de unidades no ano passado. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira pela Fenabrave.
O número inclui carros de passeio, comerciais leves, ônibus e caminhões. A retomada ocorre após quatro anos de queda nos emplacamentos, mas mostra o quanto o mercado encolheu. O volume do ano passado é pouco inferior aos licenciamentos de 2007.
O acesso ao crédito continua a ser um problema, mas a Fenabrave vê evolução nas concessões de financiamentos.
"A qualidade da carteira de crédito está melhorando. A cada 10 fichas submetidas aos bancos, cerca de quatro estão sendo aprovadas", diz Alarico Assumpção, presidente da Fenabrave.
No segmento de caminhões, a safra agrícola impulsionou a renovação da frota. "Veículos extrapesados chegaram a cerca de 1 milhão de quilômetros rodados em 2017, o que estimulou a troca", diz Sérgio Zonta, vice-presidente da Fenabrave.
A norte-americana General Motors, que atua no mercado brasileiro com os veículos da marca Chevrolet, foi a montadora que vendeu o maior número de carros no Brasil em 2017, pelo segundo ano consecutivo. Foram 394 mil unidades vendidas no ano passado, 13,9% a mais que em 2016.
A participação de mercado da empresa também cresceu, de 17,4% para 18,1%. O carro que mais contribuiu para tais avanços da GM foi o Onix, líder de vendas no Brasil desde 2015, quando desbancou o Palio, da Fiat. Os emplacamentos do modelo em 2017 somaram 188,6 mil unidades, expansão de 23% na comparação com o resultado alcançado no ano anterior.
A Volkswagen, por sua vez, foi a marca que mais avançou no mercado brasileiro em 2017. A montadora alemã, que foi a que mais sofreu com a queda nas vendas durante a crise econômica, começa a recuperar parte do espaço que perdeu ao longo da recessão. As vendas de veículos leves da empresa cresceram 19% no ano passado, com o emplacamento de 272 mil unidades.
Com isso, a alemã viu a sua participação de mercado subir de 11,6% em 2016 para 12,5% em 2017, depois de quatro anos em que a montadora só perdeu espaço - em 2013 chegou a ser de 18,6%. Apesar da melhora, a Volkswagen não conseguiu subir no ranking de marcas e permaneceu na terceira posição. Também não houve alteração na vice-liderança, que segue com a Fiat, que ficou com 13,4% de participação de mercado.
Houve mudança na quarta posição. A Ford recuperou o lugar perdido para a sul-coreana Hyundai em 2016. Com a venda de 206,7 mil unidades, a Ford ficou com 9,5% de participação, enquanto a Hyundai, agora na quinta posição, somou 201,9 mil emplacamentos, ou 9,3% do mercado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia