Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura Internacional

Notícia da edição impressa de 04/01/2018. Alterada em 03/01 às 21h14min

Governo chinês incentiva investimento no exterior

Empresas chinesas serão encorajadas a aplicar recursos fora do país

Empresas chinesas serão encorajadas a aplicar recursos fora do país


AFP PHOTO/AFP PHOTO/STR/JC
O Ministério das Finanças da China divulgou uma série de incentivos fiscais para encorajar as companhias do país a investir no exterior. Segundo comunicado, várias divisões de uma empresa doméstica terão isenção de um aumento no imposto sobre lucro corporativo, nesse caso.
A medida busca evitar a dupla tributação e também reduzir os encargos tributários para as empresas domésticas, informou o Ministério das Finanças. As regras valem apenas para negócios no exterior que sejam pelo menos 20% propriedade de companhias chinesas.
As empresas domésticas poderão também usar um método diferente para calcular seu imposto, caso tenham investimentos em vários países, segundo o governo. Com isso, elas poderão alocar seus créditos tributários em diferentes países, o que ajudaria a reduzir a pressão sobre o fluxo de caixa, explica o comunicado.
O anúncio dos mais recentes incentivos é feito uma semana após a China dizer que isentaria companhias estrangeiras de pagar imposto sobre seu lucro caso ele seja reinvestido nos setores especificados por Pequim, um esforço para atrair investidores estrangeiros.
 

China diz que poderia retaliar Estados Unidos no comércio

A agência estatal Xinhua pediu que os Estados Unidos adotem medidas para controlar as tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos e pediu mais cooperação bilateral. Mas também advertiu, em um comentário, que Pequim adotará "medidas retaliatórias" em 2018, caso os EUA continuem a adotar uma mentalidade de soma zero.
A Xinhua também criticou os EUA por adotarem "uma abordagem cada vez mais protecionista e isolacionista". A agência argumenta que a China tem feito esforços para promover a cooperação com Washington.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia