Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Vinicius Ferlauto

Giro Rápido

Notícia da edição impressa de 05/01/2018. Alterada em 04/01 às 19h47min

Ligação direta

A Nissan anunciou o resultado de pesquisas que permitirão aos veículos interpretar sinais emitidos pelo cérebro dos motoristas, redefinindo a maneira como as pessoas interagem com os seus carros. A tecnologia, batizada de "Brain-to-Vehicle", ou B2V, promete acelerar o tempo de reação para os condutores e fará com que os veículos se adaptem continuamente para tornar a experiência de dirigir cada vez mais agradável. O motorista usa um dispositivo capaz de captar sua atividade cerebral, que depois é analisada pelos sistemas autônomos. Ao antecipar o movimento pretendido, o sistema pode gerar ações - como girar o volante ou reduzir a velocidade - de 0,2 a 0,5 segundo mais rápido do que o condutor, sempre de modo imperceptível. As aplicações da tecnologia não param por aí. O B2V poderia, por exemplo, usar a realidade aumentada para ajustar o que o motorista vê e criar um ambiente mais relaxante.
Fábrica reativada
A Ford irá reativar um dos seus centros de produção mais antigos, no bairro de Corktown, em Detroit (EUA), onde a empresa começou suas operações. Inaugurado há 110 anos, com o nome "The Factory" ("A Fábrica"), o local concentrará os esforços da marca em veículos autônomos e elétricos. Totalmente restaurada, a unidade, com 4.180 metros quadrados de área, voltará a funcionar ainda em 2018.
Produção recorde
Embora os números oficiais ainda não tenham sido divulgados, a Volkswagen deve fechar o balanço de 2017 registrando a maior produção de sua história: cerca de seis milhões de veículo saíram das mais de 50 fábricas que a marca mantém pelo mundo. Somando todos os números desde que o primeiro Fusca saiu da linha de montagem, há 72 anos, a Volks afirma que já entregou 150 milhões de carros.
Mercado chileno
A Mercedes-Benz do Brasil efetuou a venda de 115 caminhões Atego 1729, com câmbio automático, para coleta de lixo no Chile. O país andino é o segundo principal comprador de caminhões e chassis de ônibus da marca, atrás apenas da Argentina. Entre janeiro e novembro de 2017, a Mercedes-Benz do Brasil exportou 859 caminhões para o Chile, o que significa um crescimento de 44% em relação ao mesmo período do ano anterior. No mesmo intervalo, comercializou 1.261 chassis de ônibus, 18% a mais do entre janeiro e novembro de 2016.
Enxugando a gama
Depois de aposentar o hatch Punto e a station wagon Weekend, a Fiat agora descontinua a produção da multivan Doblò no Brasil. O modelo ainda aparece no site da marca e assim se manterá até que o estoque seja encerrado.
Túnel de vento avançado
Com sua maior ofensiva de modelos e tecnologias em andamento, a Volkswagen inaugurou recentemente um novo túnel de vento na Alemanha - o complexo que o abriga fica em Wolfsburg e é um dos mais modernos e eficientes da indústria automotiva. Na instalação, os veículos podem ser testados sob ventos com velocidade de até 250 km/h, simulando condições de tráfego reais com vistas a reduzir o arrasto aerodinâmico, consumo de combustível e emissões. Além disso, simulações de direção sob todas as condições climáticas e ambientais normalmente experimentadas em todo o mundo podem ser realizadas - em temperaturas entre -30°C e 60°C. Com o novo centro, a Volkswagen reduzirá significativamente o custo dos testes anteriormente realizados em áreas remotas. Além disso, a cooperação entre áreas de desenvolvimento de produto será facilitada devido às menores distâncias envolvidas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia