Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 14 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 15/01/2018. Alterada em 14/01 às 18h43min

Frases e personagens

 Lasier Martins (PSD), senador

Lasier Martins (PSD), senador


Waldemir Barreto/Agência Senado/JC
"O gasto anual médio no País com segurança pública tem sido de R$ 297,32 por habitante entre 2007 e 2016 - praticamente nada, importância ínfima -, de acordo com os dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Tal número tem crescido a um ritmo de 6,4% ao ano em termos reais. Em 2016 foram R$ 350,00 por habitante." Lasier Martins (PSD), senador.
"Quantos inquéritos policiais resultam em denúncia e condenação? Quantos presos há no Brasil? Que facções controlam os presídios? Onde estão seus líderes? Qual o gasto médio da sociedade com seus prisioneiros? Quem eles são? Por que crimes respondem? Que pena cumprem? Onde estão? Quando deverão ser soltos?" Também Lasier Martins.
"O rebaixamento do País poderia servir de incentivo para que os parlamentares se atentassem da importância da reforma da Previdência, mas o impacto do corte do rating do Brasil deve ser nulo." Alexandre Schwartsman, ex-diretor do Banco Central.
"A reforma dificilmente deve passar este ano. Esse bonde já passou. A importância desse movimento, de todo modo, é questionável. As agências de risco são de uma inutilidade atroz. Há formas mais eficientes de se medir o risco País." Também Alexandre Schwartsman.
"A decisão da agência, que rebaixou a nota de classificação de risco brasileira, é um momento para reflexão. Temos uma grave crise fiscal e precisamos resolvê-la. O Congresso aprovou várias medidas importantes para a recuperação econômica do País e não é correto responsabilizá-lo pelo rebaixamento." Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados.
"Isso não ajuda. Sabemos que, se não fossem as duas denúncias contra o presidente Temer, teríamos condições de aprovar a reforma da Previdência. E isso não foi culpa do Legislativo, como falado por alguns." Também Rodrigo Maia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia