Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 22 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

corrupção

22/12/2017 - 10h28min. Alterada em 22/12 às 10h34min

Câmara suspende salários e benefícios dos deputados Paulo Maluf e Celso Jacob

Atualmente, o salário bruto dos deputados federais é de R$ 33.763,00

Atualmente, o salário bruto dos deputados federais é de R$ 33.763,00


ROVENA ROSA/AGÊNCIA BRASIL/JC
Agência Brasil
Os deputados federais Paulo Maluf (PP-SP) e Celso Jacob (PMDB-RJ) terão os salários e os benefícios como auxílio-moradia e verba de gabinete suspensos. A informação é da assessoria de imprensa da presidência da Câmara dos Deputados, os gabinetes dos dois parlamentares serão desativados e os funcionários exonerados.
Atualmente, o salário bruto dos deputados federais é de R$ 33.763,00. Eles também recebem mensalmente uma cota parlamentar que varia de acordo com a distância de seus estados de Brasília. No caso dos representantes da Capital Federal, que recebem o menor valor, essa verba é de R$ 30.788,66.
Desde junho deste ano, Jacob está preso no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília. Ele foi condenado em 2006 por falsificação de documento público e dispensa irregular de licitação quando o peemedebista era prefeito de Três Rios (RJ).
Já Maluf foi condenado em maio pelo Supremo Tribunal Federal por lavagem de dinheiro. Na terça-feira (19), o ministro Luiz Edson Fachin rejeitou um recurso do deputado e determinou início "imediato" da pena de 7 anos, 9 meses e 10 dias de prisão, além da perda do mandato.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia