Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

Notícia da edição impressa de 22/12/2017. Alterada em 21/12 às 23h06min

'Não vou ser mais radical', afirma ex-presidente Lula em coletiva

Na primeira entrevista coletiva à chamada grande imprensa depois de vários anos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que não quer mais ser visto como um "radical". O petista, que pode ser impedido pela Justiça de concorrer à presidência em 2018, defendeu alianças estaduais do PT com partidos que votaram a favor do impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff (PT), disse que pretende dialogar com empresários "que ainda pensam no Brasil" e prometeu pacificar o País caso seja eleito pela terceira vez.
"Eu não vou ser mais radical. Estão dizendo que estou mais radical. Não tenho cara de radical, nem o radicalismo fica bem em mim. Estou é mais sabido", disse Lula, que recebeu 12 jornalistas para um café da manhã na sede do Instituto Lula, na manhã de quarta-feira.
Uma semana depois de o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) marcar, para o dia 24 de janeiro, o julgamento que pode deixá-lo inelegível, o ex-presidente tentou demonstrar bom humor. "Eu não posso estar mal humorado, porque sou corintiano e estou em primeiro lugar em todas as pesquisas."
Em ao menos oito vezes ao longo da conversa Lula reiterou que é inocente e desafiou a Lava Jato a apresentar provas de que é dono do triplex no Guarujá. Ele disse ainda que não tem medo de ser preso, mas que vai usar todos os recursos judiciais para garantir o direito de ser candidato. "Não quero passar para a história como um inocente condenado", afirmou o petista. "A única chance que tenho é pedir provas. Não é possível que alguém seja dono de uma coisa que não é dono", completou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia