Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 15 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

governo federal

15/12/2017 - 16h42min. Alterada em 15/12 às 16h45min

'Sou a partir deste momento um soldado sob o vosso comando', diz Marun a Temer

Em cerimônia, Marun disse que aceitava o cargo por acreditar no governo Temer

Em cerimônia, Marun disse que aceitava o cargo por acreditar no governo Temer


VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL/JC
Conhecido por ser da tropa de choque do governo e também um ferrenho aliado do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, o peemedebista Carlos Marun disse, ao assumir a Secretaria de Governo, que será um soldado do Michel Temer e que o presidente é um exemplo que é possível fazer política com "honra e dignidade". "Serei e sou a partir deste momento um soldado sob o vosso comando", disse.
"Vejo o senhor determinado neste momento ímpar a fazer aquilo que o Brasil precisa. Hoje abro mão da minha reeleição para estar ao seu lado, que é a personificação da possibilidade de se fazer política com honra e dignidade", disse o agora ministro, durante cerimônia de posse no Salão Leste do Palácio do Planalto.
Deputado de primeiro mandato federal, Marun disse que durante os três anos de convivência no Parlamento conquistou a "confiança da base" e o "respeito da oposição" e disse que terá como "maior desafio" tentar ajudar o governo a aprovar a previdência. "Assumo essa função consciente disso", afirmou o ministro, ressaltando que é preciso de uma "previdência mais justa e menos desigual".
Reforçando o discurso de que a reforma visa combater privilégios, Marun disse que com a sua aprovação a economia vai melhorar ainda mais e com isso 2018 pode ser um "ano histórico" de "espetacular crescimento". "Que só é válido se trouxer felicidade ao povo brasileiro", completou.
Marun disse ainda que aceitava o cargo por acreditar no governo Temer, agradeceu o seu antecessor Antonio Imbassahy e seus colegas de parlamento. O ministro disse ainda que o Congresso nacional decretou impeachment "de um governo que destruía o Brasil". "Tenho orgulho presidente, sob seu comando já fizemos muitas coisas", disse, ressaltando alguns dados da economia como juros e inflação em queda.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia