Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

justiça

Notícia da edição impressa de 14/12/2017. Alterada em 13/12 às 22h25min

Irmão de Cabral recebe dinheiro sem prestar serviço

Irmão do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral Filho (PMDB), o publicitário Maurício Cabral admitiu, nesta quarta-feira, que recebeu R$ 240 mil por meio de sua empresa, a Estalo Comunicação Ltda., sem ter prestado nenhum serviço - uma nota fria. Segundo Maurício, o negócio foi firmado por intermédio de Carlos Miranda, apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) como operador financeiro do esquema chefiado pelo ex-governador, preso desde novembro de 2016 e condenado três vezes por corrupção e outros crimes. As declarações foram dadas ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, no Rio de Janeiro.
De acordo com Maurício, Miranda lhe sugeriu que prestasse serviço à empresa Survey, de Alberto Conde, contador da empresa FW Engenharia. O MPF sustenta que a FW, de Flávio Werneck, teria trabalhado para dar aparência lícita ao pagamento de R$ 1,7 milhão de propina. Maurício, porém, tentou demonstrar que agiu de boa-fé.
"Eu cheguei para o Carlos Miranda, que era meu amigo, e disse: se você tiver algum cliente para me indicar, me ajudaria. Estava precisando de jobs (trabalhos) para serviços de publicidade. Miranda me disse: vai ter um trabalho para gente fazer juntos, pela empresa Survey", disse.
Segundo o irmão de Cabral, o dinheiro foi depositado em 2011, a nota foi emitida, mas o serviço nunca foi feito por sua empresa. "Eu perguntava para o Miranda: e o trabalho? Mas o trabalho nunca apareceu. Emiti a nota antes, porque acreditei que o serviço seria feito", afirmou. Maurício disse não ter devolvido o dinheiro, que usou mais tarde. Alberto Conde também admitiu que sua empresa Survey foi utilizada para a emissão de notas frias para serviços nunca prestados. Segundo ele, os pagamentos eram feitos por ordem de Werneck.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia