Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 14/12/2017. Alterada em 13/12 às 18h43min

A Saúde e o poder da informação

Daiçon Maciel da Silva
Até bem pouco tempo, não tínhamos tanta informação sobre muitas coisas. A internet, com o surgimento das redes sociais, ampliou de forma assustadora nosso alcance a tudo que acontece em qualquer parte do mundo. Quando o assunto é saúde, também contamos com a evolução das pesquisas. Aliadas à tecnologia ganhamos agilidade em diagnósticos que são capazes de nos orientar de forma mais precisa. Felizmente, este nosso "novo mundo" está resultando em uma mudança de comportamento. Em muitos sentidos, é claro, mas me refiro aqui aos cuidados com a saúde, especialmente a do homem. A campanha Novembro Azul deste ano nos mostrou uma grande revolução na percepção do público masculino sobre a necessidade de buscar a prevenção de doenças. A Secretaria da Saúde de Santo Antônio da Patrulha, como em muitos outros municípios do País, realizou a campanha, com ênfase no câncer de próstata, mas também alertando para cuidados com a saúde de modo geral.
Chamou a atenção, a grande adesão dos homens neste Novembro Azul. Mais de 500 procuraram os postos de saúde para participar das atividades que envolviam palestras, exames e consultas médicas. Em um sábado, em que foi realizado o dia D da campanha, filas se formaram no Posto de Saúde Central da cidade. Acredito que a capacidade de entendimento dos homens foi ampliada, graças a tanta informação que temos. As agentes comunitárias de saúde, as mulheres em nossas casas, nos lembrando o tempo todo que temos que nos cuidar, também contribuem para esta mudança. Elas, sempre são mais cuidadosas e organizadas, e nós, relaxamos, fizemos de conta que somos duros na queda.Além disso, os homens fumam mais, bebem mais e são mais sedentários. Mas, vimos que esta postura está mudando. Diante da ideia de que "ir ao médico é frescura", ou de que "quem procura acha", muito comum em solo gaúcho, os homens vêm mostrando que "coisa de macho", também é cuidar da saúde.
Prefeito de Santo Antônio da Patrulha (PMDB)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia