Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Reino Unido

Alterada em 20/12 às 14h37min

Reino Unido permitirá que bancos europeus operem como filiais após o Brexit

O Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) afirmou nesta quarta-feira (20) que pretende permitir que os bancos e as seguradoras de países da União Europeia operem como filiais no Reino Unido, após a saída britânica da UE, o chamado Brexit, em vez de estabelecer subsidiárias.
O banco central afirmou que, baseando-se no pressuposto de um continuado alto grau de cooperação supervisora entre Londres e a UE, não forçará os bancos sediados no continente a estabelecer novas operações com as diretrizes locais de liquidez e capital.
Vice-presidente do BoE, Sam Woods advertiu em carta a empresas que os pressupostos sobre as regulações equivalentes "podem ser revisitadas", conforme as negociações do Brexit avançam. O BoE afirmou que as empresas que atualmente operam no Reino Unido sob as regras de transferência da UE precisarão de autorização para seguir no país.
As consultas sobre a abordagem para a autorização e supervisão das empresas internacionais continuam até fevereiro e as companhias poderão solicitar autorização para funcionar como filiais a partir do início de 2018.
O BoE disse que a intensidade de sua supervisão sobre bancos e seguradoras dos países da UE levará em conta o quanto de suas atividades "sistêmicas" estão no Reino Unido. O banco central disse que os fatores incluirão o tamanho das companhias, baseado em se as operações delas têm mais de 15 bilhões de libras (US$ 20,11 bilhões) em ativos totais.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia