Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 10 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

venezuela

10/12/2017 - 18h44min. Alterada em 10/12 às 19h13min

Venezuelanos votam para prefeitos em eleição boicotada por oposição

Votação vem ocorrendo de forma pacífica, segundo autoridades do país

Votação vem ocorrendo de forma pacífica, segundo autoridades do país


GEORGE CASTELLANOS/AFP/JC
Cerca de 19,7 milhões de venezuelanos foram convocados para as eleições municipais que ocorrem neste domingo na Venezuela mas, até o momento, é baixa a participação dos eleitores, segundo fontes do país. Três dos quatro principais partidos da oposição não participaram dos comícios municipais e pediram um boicote contra o Conselho Nacional Eleitoral, controlado pelo governo. Os opositores acusam a entidade de ter cometido fraudes nas eleições regionais passadas.
Em vários pontos da capital nacional Caracas, os centros de votação reuniram poucas pessoas. Um dos cinco diretores do Conselho Nacional Eleitoral, Luis Emílio Rondón, admitiu que até o momento a presença de eleitores nas urnas foi escassa.
A votação vem ocorrendo de forma pacífica, segundo autoridades do país. No Estado central de Portuguesa, três pessoas foram detidas por entrar de foram "ilegal" em um local de votação, segundo a assessoria de imprensa do Comando Estratégico Operacional venezuelano.
O partido no poder é o favorito para ganhar a maioria dos 335 cargos de prefeitos neste domingo e, com isso, consolidar a hegemonia que mantém no interior do país há quase duas décadas. A eleição do governador de Zulia, realizada há dois meses, também está sendo repetida, por decisão do Assembleia Nacional Constituinte, que anulou a vitória de um candidato da oposição.
A votação começou após as 6h da manhã do horário local (8h pelo horário de Brasília), com previsão de duração de doze horas. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia