Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 15 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

14/12/2017 - 14h00min. Alterada em 14/12 às 15h35min

Frente será lançada para evitar fechamento de Beneficência Portuguesa

O hospital Beneficência, que tem mais de 160 anos de existência, enfrenta sua pior crise

O hospital Beneficência, que tem mais de 160 anos de existência, enfrenta sua pior crise


CLAITON DORNELLES /JC
Uma Frente Parlamentar da Assembleia Legislativa será lançada na tarde desta quinta-feira (14) para reforçar a mobilização para evitar o fechamento do Hospital Beneficência Portuguesa, em Porto Alegre. O hospital, com mais de 160 anos de existência, enfrenta sua pior crise. A frente será lançada em ato às 15h30min no Salão Nobre do hospital. Já foi criada também um movimento semelhante na Câmara de Vereadores.     
O hospital tem dívida acima de R$ 40 milhões, os salários dos funcionários estão atrasados há mais de cinco meses e a ocupação de 160 leitos é cada vez mais baixa, chegando próximo a zero. 
A prefeitura de Porto Alegre rescindiu o contrato de prestação de serviços de saúde junto ao hospital no fim de novembro. A rescisão foi publicada no Diário Oficial de Porto Alegre de ontem. Em outubro, reportagem do Jornal do Comércio mostrou que o hospital vive uma crise financeira sem precedentes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
GENESIO PEDRO BONDAN 14/12/2017 16h50min
não e possível o fechamento deum hospital que salvou varias vidas, façam campanhas para isso não acontecer, é um absurdo, tantos milionários que podem ajudar
Carmem de Medeiros 14/12/2017 15h54min
Muito triste. É a falência da saúde.