Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança pública

Notícia da edição impressa de 14/12/2017. Alterada em 14/12 às 13h08min

Apenas 5,5% da população está satisfeita com o governo

As denúncias ocorreram em evento para apresentar o estudo "Raio X da Segurança Pública na Grande Porto Alegre", elaborado pela Segmento Pesquisas. Foram entrevistadas 600 pessoas, entre setembro e outubro, em Canoas, Alvorada, Gravataí, Novo Hamburgo, São Leopoldo, Esteio e Sapucaia do Sul. Em torno de nove em cada dez cidadãos (94,5%) consideraram o governo de José Ivo Sartori péssimo, ruim ou regular. O percentual aumentava para 97% de péssimo, ruim ou regular na relação do governo com segurança pública.
Perguntados sobre o que lhes vem à cabeça quando se fala em segurança pública, 83,8% dos entrevistados mencionaram pontos negativos, como não existir segurança (18,7%), assaltos (16,9%) e insegurança (13,3%). Os que fizeram associações positivas lembraram de ações de policiamento (26%), da Brigada Militar (16,4%) e da polícia como um todo (12,3%).
Quase todos os entrevistados (95,5%) se mostraram insatisfeitos com a segurança pública da Região Metropolitana. Podendo estabelecer uma nota de 1 a 5, a média foi de 1,8. Os piores resultados foram em Alvorada e Gravataí, com 1,4. A grande maioria das pessoas (88,2%) acha que a violência aumentou nos últimos três anos.
O maior medo da população é sofrer assaltos ou morrer em um assalto (62,7%). O pensamento mais recorrente é ser assaltado, com 57,7% dos entrevistados pensando nisso sempre ou quase sempre, seguido por pensar em ser assassinado ou sofrer um roubo com morte (46%). Os locais onde mais se sentem inseguros é na rua durante a noite (97%), na parada de ônibus (93,3%) e dentro do ônibus (91,4%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia