Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Notícia da edição impressa de 29/12/2017. Alterada em 28/12 às 21h05min

Indicador de Incerteza da Economia sobe 0,8 ponto em dezembro, diz FGV

O Indicador de Incerteza da Economia (IIE) avançou 0,8 ponto entre novembro e dezembro de 2017, passando de 112,8 pontos para 113,6 pontos. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getulio Vargas (FGV). Em novembro, o indicador já havia registrado alta em relação a outubro, quando estava em 111 pontos.
Para o economista da FGV Pedro Costa Ferreira, o País termina o ano com um desvio padrão do indicador de incerteza acima da média histórica. "Como já havíamos ressaltado anteriormente, as dificuldades para aprovar as reformas estruturantes, o desequilíbrio fiscal e as divisões político-partidárias parecem criar dificuldades para que a incerteza econômica volte para o seu nível histórico."
O ligeiro avanço em dezembro foi determinado pela componente mídia, que registrou alta de 3,7 pontos no mês, contribuindo com 3,3 pontos para o comportamento do índice geral, segundo a fundação.
O IIE-Br mercado e o IIE-Br expectativa apresentaram comportamento inverso. O componente de mercado registrou queda de 6,2 pontos de novembro para dezembro, contribuindo com -0,8 ponto na composição do IIE-Br de dezembro; enquanto o componente de expectativa registrou queda de queda de 6,8 pontos e contribuição de -1,7 para a componente expectativa.
Para 2018, o economista prevê ainda mais volatilidade no indicador. "Fica difícil imaginar que o patamar do IIE-BR fique abaixo dos 110 pontos e, devido às eleições, espera-se que o indicador fique ainda mais volátil", afirmou, em boletim divulgado pela FGV.
Apesar de fechar o ano em alta, o IIE-Br fechou o ano com queda expressiva em relação a janeiro, registrando 127,3 pontos, e terminando em dezembro com 113,6 pontos, uma queda de 13,7 pontos no nível de incerteza da economia brasileira.
Já em fevereiro, houve queda significativa, descendo a 118,8 pontos; voltando a subir para 122,7 pontos em março; caindo para os mesmos 118,8 pontos de fevereiro a abril, até atingir o maior patamar em junho de 2017: 142,5 pontos.
Em julho, voltou a cair, mais ainda assim fechou no segundo maior patamar de incerteza do ano: 136 pontos. Continuou a trajetória de queda, totalizando quatro meses consecutivos de retração, chegando a outubro em 111 pontos - o menor patamar do ano. Daí para frente, voltou a cair até dezembro.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia