Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 27 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

Notícia da edição impressa de 28/12/2017. Alterada em 27/12 às 21h10min

Medida Provisória altera fundos constitucionais

Medida estabelece critério objetivo que leva em consideração desigualdades regionais

Medida estabelece critério objetivo que leva em consideração desigualdades regionais


/FERNANDO FRAZÃO/ABR/JC
Foi publicada ontem a Medida Provisória (MP) nº 812, que moderniza o cálculo dos encargos financeiros não rurais dos Fundos Constitucionais. Segundo nota divulgada pelo Banco Central (BC), a medida estabelece critério objetivo para o cálculo que leva em consideração as desigualdades regionais. "Dessa forma, contribui para a previsibilidade das taxas, para a promoção de investimentos em regiões relativamente menos desenvolvidas e para a consequente eficiência do fomento de programas de financiamento aos setores produtivos, em consonância com os planos regionais de desenvolvimento", diz a instituição.
Os encargos serão baseados no cálculo da Taxa de Longo Prazo (TLP), ou seja, serão compostos pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e por taxa de juros real prefixada, mensalmente, de acordo com o equivalente ao rendimento real das Notas do Tesouro Nacional - Série B (NTN-B) no prazo de cinco anos. Além disso, serão ainda consideradas as diferenças regionais através do Coeficiente de Desenvolvimento Regional (CDR), de fatores de ponderação por tipo de operação e de um benefício de adimplência.
O banco destacou que o estoque existente de contratos não sofrerá alteração e continuará sendo remunerado pelas taxas contratadas anteriormente à medida provisória.
Segundo a instituição, a medida amplia a previsibilidade do investimento. "A definição da metodologia estabelece o cálculo das taxas sem fatores discricionários em sua composição, e sua divulgação aumentará a previsibilidade dos tomadores de recursos na tomada de decisão de investimento."
O BC também considera que a medida aumenta a transparência na concessão de subsídios e garante que as regiões contempladas tenham acesso a taxas mais baixas. "Como esses encargos são definidos através de um abatimento previamente definido sobre a parte real pré-fixada da TLP, há a garantia que os Fundos Constitucionais ofereçam taxas mais baixas em quaisquer condições de mercado, mesmo as mais adversas", explicou.
O BC considera, ainda, o benefício de contribuir para a queda sustentada da taxa de juros estrutural da economia. "O cálculo dos encargos financeiros não rurais, baseado na TLP e calculado como parâmetro de mercado, ampliará a potência da política monetária, contribuindo para o controle da inflação ao menor custo para a sociedade", acrescentou.
O banco avalia que as novas regras também contribuem para o equilíbrio fiscal. Sem impacto fiscal negativo, favorece a previsibilidade das contas públicas, ao associar os custos desses encargos ao custo de oportunidade do Tesouro Nacional e de Operações de Crédito do Sistema Financeiro com os dados atualizados até novembro de 2017.
A Lei nº 7.827, de 1989, ao regulamentar artigo da Constituição, criou os Fundos Constitucionais de Financiamento do Centro-Oeste (FCO), do Nordeste (FNE) e do Norte (FNO), com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento econômico e social dessas regiões por meio de financiamentos aos setores produtivos.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia