Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 26/12 às 21h06min

Bolsas de Nova Iorque fecham em queda com setor financeiro e de tecnologia

As bolsas de valores dos Estados Unidos fecharam em queda, nesta terça-feira (26), pressionadas pelo mau desempenho dos papéis de tecnologia e de companhias financeiras.
O índice Dow Jones fechou em queda de 0,03%, aos 24.746,21 pontos; o S&P 500 caiu 0,11%, para 2.680,50 pontos; e o Nasdaq recuou 0,34%, para 6.936,25 pontos.
O declínio das ações da Apple e de algumas companhias fornecedoras puxaram para baixo outras empresas. Isso ofuscou os ganhos de companhias de energia e de varejistas, que foram impulsionados por dados mostrando aumento dos gastos no Natal.
Ainda assim, os índices estão perto das máximas históricas, ajudados por vários resultados corporativos positivos e pela expansão econômica constante nos EUA e no mundo neste ano.
A Apple viu suas ações recuarem 2,5% após relatos de que a companhia está considerando cortar suas estimativas de vendas para o primeiro trimestre, de acordo com analistas. Com isso, várias empresas que fornecem materiais para a Apple caíram, como a Broadcom (-1,6%) e a Skyworks Solutions (-2%).
As ações financeiras também tiveram um mau desempenho, acompanhando o recuo dos rendimentos dos títulos da dívida americana. O Goldman Sachs viu suas ações caírem 0,7% e o J. P. Morgan perdeu 0,6%.
Já as ações de varejistas foram impulsionadas por dados que sugerem que as vendas no varejo dos EUA, durante o período de feriados, avançaram no ritmo mais rápido desde 2011. A Kohl's ganhou 5,5% e a Macy's subiu 4,7%.
O setor de energia do S&P 500 ganhou 0,8%, com apoio do avanço dos preços do petróleo, em meio a interrupção do fornecimento da commodity na Líbia. A ExxonMobil ganhou 0,01% e a Chevron subiu 0,80%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia