Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Conjuntura

Alterada em 26/12 às 14h54min

Analistas projetam alta de 2,68% para o PIB em 2018

O mercado financeiro elevou levemente sua projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2017 e 2018. A expectativa de alta para o PIB deste ano passou de 0,96% para 0,98% no Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta terça-feira (26). Há um mês, a perspectiva estava em 0,73%. Para 2018, o mercado elevou a previsão de alta do PIB de 2,64% para 2,68%. Quatro semanas atrás, a expectativa era de 2,58%.
Em 1º de dezembro, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o PIB cresceu 0,1% no terceiro trimestre, em relação ao segundo trimestre. Apesar de modesto, o número foi bem recebido pelo mercado. Um dos motivos foi o crescimento do investimento produtivo, de 1,6% no trimestre, na primeira alta após 15 quedas consecutivas.
Já o Banco Central atualizou suas projeções para o PIB no Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado na última quinta-feira (21). O crescimento projetado para 2017 é de 1,0% e para 2018 de 2,6%. No Focus desta terça, a projeção para a produção industrial deste ano seguiu com avanço de 2,03%. Há um mês, estava em 2,00%. No caso de 2018, a estimativa de crescimento da produção industrial foi de 3,00% para 2,98%, ante 2,90% de quatro semanas antes.
Já a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2017 seguiu em 52,20%. Há um mês, estava em 52,15%. Para 2018, a expectativa no boletim Focus permaneceu em 55,65%, ante 55,40% de um mês atrás.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia