Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 25 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 25/12 às 08h55min

Em dia de liquidez reduzida, bolsas de Xangai e Tóquio fecham sem direção única

As bolsas chinesas fecharam em baixa nesta segunda-feira de Natal, enquanto a de Tóquio subiu levemente, alcançando o maior nível em 26 anos, num dia de liquidez reduzida em que boa parte dos mercados asiáticos não operou.
Principal índice acionário da China, o Xangai Composto recuou 0,50% hoje, a 3.280,46 pontos, em meio ao fraco desempenho de ações com menor valor de mercado, que acabou ofuscando os ganhos de blue chips do setor imobiliário.
O mercado de Shenzhen, que simboliza a nova economia chinesa, teve queda ainda mais expressiva. O índice Shenzhen Composto caiu 0,93%, a 1.883,89 pontos, atingindo o menor nível em duas semanas.
Perdas nos mercados chineses de futuros de metais contribuíram para o sentimento negativo nas bolsas. Em Dalian, o contrato futuro de minério de ferro fechou em baixa de 2,3%, enquanto em Xangai o futuro de vergalhão de aço sofreu um tombo de 3,1%, diante da expectativa de demanda fraca.
No Japão, o Nikkei registrou modesta alta de 0,16%, a 22.939,18 pontos, mas encerrou o pregão no maior patamar desde janeiro de 1992. Destacaram-se em Tóquio ações das empresas de cosméticos Kosé (+4,1%) e Shiseido (2,2%), e das fabricantes de equipamentos de automação Yaskawa Electric (+2,4%) e Keyence (+1,8%).
Já em Taiwan, o Taiex apresentou leve baixa de 0,14%, a 10.522,49 pontos. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia