Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 23 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 23/12 às 11h22min

Petrobras pode ampliar total de ativos à venda

A Petrobras está disposta a vender mais US$ 5 bilhões dos seus ativos para deixar o caixa dentro da meta estipulada para o fim de 2018. Os objetivos estão mantidos, ainda que o preço do petróleo despenque e a empresa não alcance a receita esperada. Para compensar possíveis frustrações de geração de caixa, a estatal guarda um grupo de ativos dos quais considera se desfazer na última hora. Assim, o seu programa de desinvestimento subiria de US$ 16,5 bilhões para US$ 21,5 bilhões em 2018.
Em seu plano de negócios, a Petrobras usou como premissa a projeção de que o barril do petróleo do tipo brent, comercializado na Europa, vai permanecer na casa dos US$ 50, como atualmente. Em 2019, começaria a subir, até atingir o patamar de US$ 70 em 2021, estimativa considerada otimista por analistas.
Como a empresa tem os seus preços atrelados ao mercado internacional, se a cotação não subir como esperado, a receita também não avança e a petroleira fica sem caixa para fazer frente aos US$ 74 bilhões de investimentos previstos para os próximos cinco anos. A saída, então, será fazer caixa por outros meios, como com a venda de ativos e negociação de contratos com fornecedores.
"Caso a empresa perceba que não vai atingir o nível de alavancagem que deseja, a solução será aumentar o portfólio de ativos incluídos no plano de desinvestimento", disse o diretor Financeiro, Ivan Monteiro, em teleconferência com analistas para detalhar o plano de negócios para o período de 2018 a 2022. Ele reitera que a Petrobras não admite a hipótese de chegar ao fim do ano com uma relação entre dívida e geração de caixa superior a 2,5 vezes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia