Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 22 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Contas Públicas

Alterada em 22/12 às 20h53min

Bndes anuncia finalização de renegociação de dívidas de 13 Estados

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) concluiu a renegociação de dívidas de 13 Estados, que somam R$ 7,8 bilhões. Assim, os Estados prorrogaram os prazos de pagamento em dez anos, incluindo a carência de quatro anos, informou o banco, em comunicado.
Do total renegociado, R$ 1,7 bilhão são relativos a São Paulo, o maior valor. Em seguida aparecem: a Bahia, com R$ 1,6 bilhão; Maranhão, com R$ 1 bilhão; Paraíba, com R$ 750,3 milhões; Piauí, com R$ 515,8 milhões; Santa Catarina, com R$ 440,7 milhões; Acre, com R$ 397,7 milhões; Ceará, com R$ 368,7 milhões; Mato Grosso do Sul, com R$ 341,2 milhões; Sergipe, com R$ 212 milhões; Alagoas, com 156,6 milhões; Pernambuco, com R$ 119,4 milhões, e Rio Grande do Sul, com R$ 106,9 milhões.
O banco afirma que a renegociação da dívida de R$ 420,9 milhões do Amapá ainda depende de comprovação do cumprimento de todas as condições prévias. Não informou, porém, quais são essas condições. Informou ainda que todos os contratos renegociados ainda terão que ser confirmados pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional.
"Todas (as dívidas) são referentes ao Programa Emergencial de Financiamento (PEF 2) e ao Proinveste, programas de apoio à execução de despesas de capital constantes do Plano Plurianual (PPA) e das Leis Orçamentárias dos Estados e Distrito Federal", acrescentou o Bndes no comunicado.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia