Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 22/12/2017. Alterada em 21/12 às 23h08min

Clima poderá reduzir a produtividade dos grãos

Importantes culturas, como milho e soja, estão em fases críticas

Importantes culturas, como milho e soja, estão em fases críticas


/MARCELO BELEDELI/ESPECIAL/JC
A última semana apresentou tempo seco e altas temperaturas no Estado, e nem mesmo as precipitações esparsas que amenizaram o forte calor foram suficientes para recompor a umidade no solo. Segundo a Emater, esse cenário, aliado à perspectiva de um verão com chuvas abaixo da média, tem preocupado os produtores.
Importantes culturas, como milho e soja, se encontram em fases críticas quanto à deficiência hídrica. Caso se confirme o prognóstico de pouca chuva, neste momento em que a maioria das lavouras se encontra em fases de floração e formação de grãos, a probabilidade de uma redução na produtividade das culturas aumenta de maneira significativa.
O milho começa a ser prejudicado de forma mais incisiva pela falta de umidade no solo. As lavouras em plena formação de espiga e enchimento de grãos apresentam leve redução do tamanho dos mesmos. O momento é extremamente crítico para a cultura, uma vez que 75% das lavouras estão entre as fases de floração e enchimento de grãos, 35% e 40%, respectivamente. Em nível estadual, a colheita do milho atinge 2% da área, aproximando-se bastante da média dos últimos anos.
A soja está com crescimento muito lento, também devido às altas temperaturas e à baixa umidade no solo. Nas horas mais quentes do dia, as plantas apresentam sintomas de estresse hídrico, com folhas murchas e pequena distância dos entrenós.
O controle de ervas invasoras realizado antes da diminuição da umidade do solo foi considerado satisfatório, embora alguns produtores tenham deixado passar o ponto ideal de aplicação dos herbicidas, resultando em permanência de plantas daninhas em algumas áreas. A aplicação de fungicidas também começa a ficar prejudicada devido à baixa umidade.
As lavouras começam a entrar em fase de floração de modo mais intenso, alcançando 3% do total da área semeada, que é de 5,7 milhões de ha, aproximadamente.

Estiagem prejudica produção de leite

A estiagem está prejudicando o desenvolvimento das pastagens de verão e, consequentemente, influenciando a produção de leite no Rio Grande do Sul. De acordo com informações da Emater, no momento, o fornecimento de ração é controlado com mais rigor devido aos baixos preços pagos aos produtores de leite.
Em algumas regiões do Estado, como a Campanha, o plantio das pastagens de verão está atrasado devido à falta de umidade do solo. Isso preocupa os produtores, uma vez que a dieta alimentar pode se tornar restritiva e desbalanceada.
A manutenção dessa situação por tempo prolongado pode ter como consequência animais com condição corporal desfavorável na entrada do inverno. A comercialização do leite apresenta dificuldade, com preços em contínua queda. O maior número de vacas em lactação nesta época pressiona ainda mais a situação desfavorável, aumentando de maneira considerável a produção, o que reduz ainda mais o preço final do produto.

Colheita do feijão está acelerada

A colheita da primeira safra de feijão está em andamento, com produtividade considerada satisfatória até o momento, variando de 1.200 kg/ha a 1.500 kg/ha na maioria das lavouras para fins de subsistência familiar. Já nas lavouras comerciais, foram obtidos rendimentos maiores, girando ao redor dos 1,8 mil kg/ha de boa qualidade.
Segundo a Emater, das culturas de sequeiro, o feijão da primeira safra é o menos afetado pela falta de umidade neste momento. A cultura se encaminha para o final do ciclo, com a colheita acelerada devido ao clima. Já foi colhida 25% da área plantada. Outros 15% já estão maduros e 35%, em fase final de formação de grão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia