Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 19 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

telecomunicações

Alterada em 19/12 às 16h23min

Bndes entrega a presidente da Oi requerimento com propostas de ajustes no plano

O representante do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) na assembleia de credores da Oi, Marcelo Rangel, acaba de entregar ao presidente da operadora, Eurico Teles, um documento com propostas de ajustes no plano de recuperação atual da companhia. Conforme indicação do representante, os ajustes são condicionantes para o banco público aprovar a reestruturação da operadora.
"De fato, a gente alcançou melhorias sensíveis até o ponto em que chegamos hoje. São melhorias expressivas, cada vez mais próximas de uma solução", afirmou Rangel na assembleia, durante a fase de manifestação dos credores.
Apesar dos avanços, ele citou que o alto colegiado do Bndes fez ressalvas sobre a necessidade de ajustes adicionais. "Ainda há arestas a serem evoluídas pelas partes. Trago requerimento que consolida pontos e arestas pendentes para que Bndes possa aprovar", complementou, sem detalhar quais as mudanças pretendidas no plano.
O banco estatal tem R$ 3,3 bilhões a receber da Oi e é o único credor da categoria de dívidas com garantia real. Isso significa que o seu apoio é uma peça chave para garantir a aprovação do plano geral de credores.
A aprovação do plano nesta primeira assembleia requer a maioria dos presentes nas classes 1 e 4 (trabalhistas e fornecedores) e a maioria dupla - considerando número de presentes e valor do crédito - nas categorias 2 e 3 (credores com garantia real e quirografários).
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia