Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 19 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Varejo

Alterada em 19/12 às 13h43min

Movimento do comércio cresce 0,2% em 12 meses até novembro, diz Boa Vista SCPC

Em novembro ante outubro, Móveis e Eletrodomésticos tiveram o maior avanço, de 6,8%

Em novembro ante outubro, Móveis e Eletrodomésticos tiveram o maior avanço, de 6,8%


JONATHAN HECKLER/JC
O movimento do comércio do País atingiu o primeiro número positivo em 12 meses até novembro desde igual intervalo encerrado em junho de 2015, mostram os dados da Boa Vista SCPC. O indicador subiu 0,2% no período. "Após dois anos de retração, o indicador do comércio vem gradualmente se recuperando desde novembro de 2016, atingindo o primeiro número positivo desde junho de 2015, quando observado na aferição acumulada em 12 meses", destaca a nota da instituição.
Na comparação com outubro com ajuste sazonal, houve expansão de 2,5% em novembro, enquanto, frente ao mesmo mês de 2016, o crescimento foi de 8,5%. A Boa Vista SCPC espera que a recuperação do setor se consolide nos próximos meses como efeito da redução dos juros, da expansão do crédito, da melhoria dos níveis de renda e do menor desemprego.
Por setores, em novembro ante outubro, Móveis e Eletrodomésticos tiveram o maior avanço, de 6,8%, descontados os efeitos sazonais. Em 12 meses, a alta foi de 0,4%.
A categoria de Combustíveis e Lubrificantes cresceu 0,7% em novembro, com ajuste sazonal, mas teve queda de 3,1% em 12 meses. Já o segmento Supermercados, Alimentos e Bebidas aumentou 0,2% na margem, na série dessazonalizada, mas teve crescimento de 2% em 12 meses.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia