Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Sistema Financeiro

Notícia da edição impressa de 19/12/2017. Alterada em 18/12 às 22h42min

PGR pede que Supremo aceite acordo sobre planos econômicos

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, emitiu ontem parecer favorável à homologação do acordo firmado na semana passada entre representantes de poupadores e de instituições financeiras para o ressarcimento de correções das cadernetas de poupança dos anos 1980 e 1990. "A composição feita entre os envolvidos deve ser homologada pela Suprema Corte", orientou Dodge. Para valer, o acordo firmado entre a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) e entidades como o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) precisa ser homologado pelo STF (Supremo Tribunal Federal).
A solicitação de parecer havia sido enviada na semana passada à PGR (Procuradoria-Geral da República) pelo ministro do STF Dias Toffoli, que é relator de uma das diversas ações sobre o assunto que tramitam no Supremo.
No parecer, Dodge afirmou que "ganha importância a possível resolução consensual da demanda, de forma que os envolvidos encontrem uma alternativa que, de um lado, garanta aos poupadores o recebimento de suas indenizações e, de outro, possibilite às entidades bancárias que mensurem o montante devido e usufruam de formas facilitadas de pagamento, via parcelamento de valores, por exemplo".
Pelo acordo, os poupadores vão receber à vista indenizações de até R$ 5.000. Quem tiver direito a valores superiores receberá em parcelas - uma entrada e o restante em dois a quatro pagamentos semestrais.
A procuradora-geral da República ressaltou que, "em âmbito nacional, demandas individuais e coletivas acerca da mesma matéria representam aproximadamente 70% dos processos sobrestados no País que aguardam definição do Supremo Tribunal Federal em repercussão geral".
O presidente da República, Michel Temer, disse ontem que o pagamento de indenizações a poupadores, previsto no acordo dos planos econômicos com bancos, deve injetar na economia R$ 12 bilhões.
A Febrapo (Frente Brasileira dos Poupadores) estima que a parcela única e a segunda parcela devam injetar na economia entre R$ 4 bilhões e R$ 5 bilhões no ano que vem. O cálculo considera que cerca de 2 milhões de poupadores terão direito ao ressarcimento e que 55% deles têm até R$ 5.000 para receber.
Mediada pela AGU (Advocacia-Geral da União), a negociação foi fechada em novembro e deverá colocar fim a cerca de 1 milhão de ações na Justiça. Mas o pagamento pode levar tempo. Depois do aval do Supremo, começará a fase de adesões ao acordo - que pode durar até dois anos. Terão direito ao ressarcimento poupadores com cadernetas de poupança ativas nos planos Bresser (1987), Verão (1989) e Collor 2 (1991).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia