Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 17 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Notícia da edição impressa de 18/12/2017. Alterada em 17/12 às 22h30min

Trabalhador acidentado deve pagar honorários

Uma juíza de Canoas rejeitou pedido de indenização de um almoxarife que sofreu acidente de moto em 2011 enquanto ia trabalhar. A decisão acabou revertendo-se contra ele, que será obrigado a pagar R$ 20 mil para arcar com os honorários do advogado da empresa. O trabalhador foi desligado da companhia em 2015.
Há possibilidade de que o montante não precise ser pago: a cobrança ficará suspensa por dois anos para que o ex-funcionário faça o planejamento para quitar seu débito. Caso isso não aconteça e a empresa seja incapaz de provar que o homem tem recursos, a dívida não poderá ser cobrada.
O empregado ia trabalhar utilizando transporte da empresa. Porém, em 2011, o motorista responsável por buscá-lo esqueceu-se do passageiro, obrigando-o a usar sua moto. Com sequelas, ele ficou afastado durante alguns meses e retornou com restrições até sua demissão. O ex-funcionário exigia pensão vitalícia. Na avaliação da juíza da 5ª Vara do Trabalho de Canoas, Adriana Kunrath, o culpado pelo acidente foi o motorista do carro que atingiu a moto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia