Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 14/12 às 19h41min

Petróleo encerra em alta com fechamento de oleoduto no Mar do Norte

Os contratos futuros do petróleo oscilaram entre ganhos e perdas nesta quinta-feira (14), mas acabaram fechando em alta nos dois lados do Atlântico, impulsionados pelo fechamento do sistema de oleodutos no campo Forties, operado pela Ineos no Mar do Norte, para reparos.
Na Nymex, em Nova York, o petróleo WTI para janeiro subiu US$ 0,44 (0,77%) e fechou a US$ 57,04 por barril. Já na ICE, em Londres, o petróleo Brent para fevereiro avançou US$ 0,87 (1,39%) e fechou a US$ 63,31 por barril.
Mais cedo, os contratos foram pressionados e chegaram a cair na esteira da divulgação de um relatório da Agência Internacional de Energia (AIE). No documento, a AIE estima que a oferta mundial de petróleo bruto cresceu 170 mil barris por dia (bpd) em novembro, a 97,8 milhões de bpd. A agência atribuiu o avanço ao forte crescimento da produção de óleo de xisto dos EUA e ao aumento das atividades de exploração.
Além disso, a AIE elevou sua previsão para o aumento da produção dos EUA para 390 mil bpd em 2017 e 870 mil bpd no ano que vem e disse que o crescimento da oferta total poderá superar o avanço na demanda em 200 mil bpd no primeiro semestre de 2018.
Mas a expectativa de que o fechamento do oleoduto no Mar do Norte possa durar vários dias ofuscou o pessimismo para o cenário do setor no longo prazo, elevando os dois contratos para o campo positivo no final da tarde.
Os contratos já vinham avançando antes do relatório da AIE, apoiados pela extensão do acordo de corte da produção entre membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e outros grandes produtores. A commodity ainda ganhou impulso diante do recuo dos estoques nos EUA.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia